Após renúncia de presidente da Petrobras, Lira diz que "não há o que comemorar"

Após renúncia de presidente da Petrobras, Lira diz que "não há o que comemorar"

Na semana passada, presidente da Câmara cobrou que José Mauro Ferreira Coelho deixasse a empresa; deputados cogitam abrir CPI

R7

Arthur Lira disse que a saída de Coelho do cargo não é motivo de comemoração

publicidade

Após o anúncio feito pela Petrobras de que José Mauro Ferreira Coelho pediu demissão do cargo de presidente da empresa nesta segunda-feira, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que a saída de Coelho do cargo não é motivo de comemoração.

"Não há o que comemorar nos fatos recentes envolvendo a Petrobras. Não há vencedores, nem vencidos. Há só o drama do povo, dos vulneráveis e a urgência para a questão dos combustíveis", publicou o deputado em uma rede social. "A hora é de humildade por parte de todos, hora de todos pensarem em todos e de todos pensarem em cada um. A intransigência não é o melhor caminho. Mas não a admitiremos. A ganância não está acima do povo brasileiro", acrescentou.

Desde a semana passada, Lira tem feito duras críticas à Petrobras, sobretudo pelo anúncio de um novo reajuste aos preços da gasolina e do diesel. O deputado reclamou que a empresa não tem sensibilidade com a população e prometeu uma reação do Congresso Nacional contra a política de preços da petroleira.

Nesse domingo, ele defendeu a divulgação de detalhes sobre o funcionamento da empresa e a atuação dos seus funcionários. "Não queremos confronto, não queremos intervenção. Queremos apenas respeito da Petrobras ao povo brasileiro. Se a Petrobras decidir enfrentar o Brasil, ela que se prepare: o Brasil vai enfrentar a Petrobras. E não é uma ameaça. É um encontro com a verdade", afirmou.

Veja Também

Ainda nesta segunda, Lira terá uma reunião com os líderes de cada partido na Câmara para discutir qual tipo de proposta contra a Petrobras os deputados podem analisar. Entre as alternativas, há a possibilidade de criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar irregularidades na gestão da empresa.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895