Automóveis novos puxam inflação do atacado

Automóveis novos puxam inflação do atacado

Apesar da queda nas vendas, preços ficaram mais caros

AE

publicidade

Apesar da queda das vendas, os automóveis novos ficaram mais caros em junho e exerceram a principal influência na aceleração da inflação varejista. No mês passado, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,82%, contra 0,72% em maio, informou nesta terça-feira, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Já na construção civil, a pressão veio do custo da mão de obra.

Segundo a instituição, o valor dos automóveis subiu 0,86%, ante um aumento de 0,30% no mês anterior. Com isso, o grupo Transportes saiu de alta de 0,09% em maio para avanço de 0,39% em junho, a contribuição de maior magnitude para o aumento do IPC.

Também aceleraram os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,40% para 0,87%), diante das passagens aéreas 13,14% mais caras, e Despesas Diversas (2,67% para 3,70%), com a alta de 29,26% nos jogos lotéricos, ainda impacto do reajuste autorizado pelo governo.

Outras classes que ganharam força na passagem do mês foram Alimentação (0,82% para 0,88%), Comunicação (-0,07% para 0,47%) e Habitação (0,81% para 0,88%). Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens frutas (-5,86% para 1,18%), tarifa de telefone móvel (0,02% para 0,40%) e taxa de água e esgoto residencial (1,34% para 4,12%), respectivamente.

No sentido contrário, desaceleraram os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (1,21% para 0,67%) e Vestuário (0,86% para 0,48%). Nestas classes de despesa, os destaques partiram dos itens: medicamentos em geral (1,92% para 0,39%) e roupas (0,76% para 0,60%), respectivamente.

Além da aceleração, o IPC registrou, em junho, uma proporção maior de itens com aumento de preços. A variação foi positiva em 75,74% dos produtos e serviços investigados, ante 68,05% em maio.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895