Banco Central eleva taxa de juros a 3,5% na tentativa de barrar inflação

Banco Central eleva taxa de juros a 3,5% na tentativa de barrar inflação

Para o Copom, "perseverar o processo de reformas e os ajustes na economia são essenciais para a recuperação sustentável do país"

R7

Analistas de mercados já aguardavam a elevação de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros

publicidade

A taxa básica de juros da economia subiu de 2,75% para 3,5% ao ano pela segunda vez consecutiva, de acordo com decisão do Copom (Comitê de Política Monetária), do BC (Banco Central), divulgada no início da noite desta quarta-feira.

Analistas de mercados já aguardavam a elevação de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros e esperam um aumento gradual ao longo de 2021. A expectativa dos especialistas é de que a Selic feche o ano a 5% ao ano.

Até março, a taxa básica de juros vinha registrando uma série de quedas desde julho de 2015 e a sequência de reduções consecutivas desde julho de 2019, chegando ao menor patamar da história.

A alta da inflação e as incertezas da economia por causa das crises financeira e sanitária geradas pela pandemia de coronavírus levaram à decisão do Copom.

Período não é o ideal para aumento

Apesar de já esperar a alta de 0,75 ponto percentual, o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE, diz que o período não é o ideal para elevar a taxa básica de juros.

É estranho elevar a taxa num momento que a economia está patinando, está ruim. Existem outros mecanismos que vão pontualmente em setores estratégicos estimulando a concorrência e forçando a redução de preços. 

O economista cita dois exemplos: Desonerar a importação para algum setor específico poder equipar melhor a indústria nacional e forçar queda de preço; Aumentar a carga de impostos de setores que têm monopólio como forma de punição.

“Temos mecanismos e acessórios não tão potentes quanto a Selic, mas para conter o aumento inflacionário que não vem de demanda, mas de custos, estão apostando muito na taxa básica de juros”, pontua.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895