Biden está "copiando Bolsonaro", diz Mourão sobre críticas às empresas de petróleo

Biden está "copiando Bolsonaro", diz Mourão sobre críticas às empresas de petróleo

Vice-presidente que disse que "todos os países estão sofrendo" com alta dos combustíveis

R7

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão

publicidade

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou na manhã desta quarta-feira (15) que a alta do preço dos combustíveis é um problema mundial. Ele disse que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está "copiando Bolsonaro" e também tem reclamado das empresas petrolíferas e suas práticas no mercado.

“Está acontecendo no mundo inteiro. Hoje de manhã eu estava acompanhando numa rede internacional o presidente Biden reclamando das empresas de petróleo, que elas estão lucrando muito, elas deveriam produzir mais. Eu acho que ele está copiando o que o presidente Bolsonaro está falando aqui”, disse.

Os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos se reuniram na última quinta-feira (9) na Cúpula das Américas, em Los Angeles, na Califórnia. Foi o primeiro encontro entre os líderes desde que o democrata assumiu a Casa Branca, em janeiro do ano passado. Durante a reunião, eles discutiram temas como preservação do meio ambiente e defesa do regime democrático.

A declaração de Mourão foi uma resposta sobre as ações do governo federal e do Congresso Nacional para conter o aumento no preço dos combustíveis no país. O vice-presidente chamou de “minirreforma tributária” o projeto que estabelece um teto para a cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, aprovado nesta terça (14) pela Câmara dos Deputados.

Mourão mencionou que fez uma viagem à Europa e que lá também há queixas sobre os valores cobrados pelo combustível, especialmente a gasolina. Para ele, todos os países têm de buscar suas soluções. “Todos os países estão sofrendo isso. Eu estive na Espanha semana passada e todo mundo reclamando do preço do combustível. O combustível lá está acima de 2 euros, ou seja, está praticamente R$ 11 comparado aqui com o nosso”, afirmou.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895