Cai o número de multimilionários em 2016, diz Forbes

Cai o número de multimilionários em 2016, diz Forbes

Americano Bill Gates segue como o homem mais rico do planeta

AFP

Revista voltou a apontar o americano Bill Gates como o homem mais rico do planeta

publicidade

O número de multimilionários no mundo caiu neste ano, pela primeira vez desde 2009, assim como a fortuna global, informou nesta terça-feira a revista Forbes. A publicação voltou a apontar o americano Bill Gates como o homem mais rico do planeta. A lista anual de 2016 da revista abarca 1.810 multimilionários, 16 a menos que do que em 2015, e sua fortuna em conjunto ficou em 6,48 bilhões de dólares, uma redução de 570 milhões de dólares em um ano, segundo a Forbes.

A publicação afirma que pela primeira vez a fortuna média desses multimilionários caiu para 3,6 bilhões de dólares, cerca de US$ 300 milhões a menos que no ano passado. A Forbes explicou esse retrocesso como relativo devido à instabilidade da bolsa, a queda dos preços do petróleo e o dólar forte, com uma redistribuição da riqueza no mundo.

Só dois dos primeiros 20 da lista do ano passado se mantiveram na mesma posição em 2016, segundo a classificação. Bill Gates, co-fundador do gigante Microsoft, permaneceu pelo terceiro ano consecutivo como o homem mais rico do mundo: sua fortuna foi de 75 bilhões de dólares, 4,2 bilhões a menos que no ano anterior, e o empresário americano Warren Buffett ficou em terceiro, com 60,8 bilhões.

O mexicano Carlos Slim caiu da segunda para a quarta posição, depois que sua fortuna passou de 77,1 bilhões de dólares em 2015, a 50 bilhões nesse ano. Aos 31 anos, o fundador do Facebook Mark Zuckerbeg foi quem teve o melhor ano, com uma fortuna que aumentou de 11,2 bilhões para 44,6 bilhões, subindo da décima sexta posição para a sexta. 

Um total de 66 milionários tem menos de 40 anos e a lista inclui 190 mulheres, das quais de maior fortuna é a francesa Liliane Bettencourt, com 36,1 bilhões.  Os Estados Unidos contam com a maior quantidade de multimilionários (540), seguidos pela China (251) e pela Alemanha (120).

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895