CEEE-T é vendida por R$ 2,67 bilhões na B3

CEEE-T é vendida por R$ 2,67 bilhões na B3

Empresa CPFL Comercialização de Energia fez a proposta mais alta e arrematou o braço de transmissão da estatal

Luiz Felipe Mello

publicidade

O braço de transmissão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-T) foi arrematado na manhã desta sexta-feira por R$ 2,67 bilhões pela empresa CPFL Comercialização de Energia na B3, a bolsa de valores em São Paulo. A empresa, que também é dona da RGE Sul, ofereceu um valor 57,13% maior do que o pedido inicial do governo do Rio Grande do Sul. A oferta, no entanto, ficou abaixo dos R$ 3 bilhões projetados por integrantes do Palácio Piratini no início desta semana.

Desde o começo do leilão, a CPFL sempre esteve à frente das concorrentes nas propostas pela CEEE-T. A primeira proposta, logo no começo do evento, foi de R$ 2,6 bilhões. Em seguida, ao estar entre as vencedoras da primeira etapa, a companhia aumentou a proposta inicial em R$ 30 milhões e depois chegou à cifra de R$ 2,64 bilhões. No final, a oferta para arrematar a CEEE-T ficou em R$ 2,67 bilhões 

Agora, a administração estadual detém apenas o braço de geração da CEEE - que deve ser vendido no final deste ano. O braço de distribuição da CEEE foi negociado para a Equatorial ainda no final de março. 

Em sua manifestação após o arremate da CEEE-T, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, destacou, mais uma vez, a capacidade do setor privado na eficiência dos serviços. "Não faz mais sentido manter uma empresa sob a administração do Estado, gerando custo e atrasando a evolução tecnológica. A operação vem em proveito de toda a sociedade, com melhores serviços, melhores preços e mais oportunidades de emprego", ressaltou. 

Leite ainda comentou que a economia do Rio Grande do Sul poderá ser reanimada a partir das privatizações. "A decisão de negociar as estatais está fundamentada na firme convicção de que os investimentos privados vão animar a nossa economia, que vão transformar a infraestrutura do Estado. A inovação que não consegue ser incorporada no setor público, mas consegue no setor privado, dando ao RS a capacidade de empreender. Crescemos como uma das maiores da economias do País através de empresas familiares e que ao longo dos anos se tornaram multinacionais", argumentou. 


Empresa familiar do RS ganha título de vinícola do ano

Vita Eterna de Pinto Bandeira usa processo artesanal para produzir

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895