Crise econômica encerra história de 18 anos de risoteria de Porto Alegre

Crise econômica encerra história de 18 anos de risoteria de Porto Alegre

Primeiro restaurante especializado em risotos da cidade serviu no início deste mês o último prato no tradicional casarão

Christian Bueller

Proprietária e equipe retornaram à cozinha do Puppi Baggio, onde continuam com as tele entregas

publicidade

Foi com um sensível anúncio nas redes sociais que os clientes receberam a notícia. “Em 2020, completamos a maioridade, 18 anos. Dizem que com 18 anos você já pode sair de casa para enfrentar o mundo. E de uma certa forma, é mais ou menos o que aconteceu com o Tutto Riso. Estamos saindo de casa”. Após quase duas décadas, a primeira risoteria de Porto Alegre, impactada com os efeitos da pandemia da Covid-19, serviu o último prato no lugar que nasceu.

Local procurado por casais da Capital e de fora, o aconchegante casarão antigo na rua Dinarte Ribeiro, bairro Moinhos de Vento, transportava o cliente, já na entrada, a um típico vilarejo italiano de um passado que não se encontra mais. Desde a pintura em madeira da fachada, passando pela escadaria de acesso, até chegar às dependências do restaurante, tudo respirava bom gosto.

“Se tornou o endereço para reencontrar os grupos de WhatsApp. Aniversários, nossa, vários!”, lembrou a empreendedora Paula La Porta de Araújo Santos.

O Tutto Riso surgiu na esteira do sucesso de Puppi Baggio, especializado em massa, que ela mantinha com a sócia Giovana Baggio, e que fica na mesma rua. Depois de um tempo juntas na nova empreitada, Paula seguiu o seu caminho sozinha à frente do negócio, na linda casa alugada com cara italiana.

Dividida em ambientes diversos, a casa oferecia ao visitante uma acolhida sossegada e contemplativa, apoiada nas cadeiras de madeira com almofadas, chaleiras que repousavam sobre o fogão a lenha e utensílios pendurados na parede, pertencentes a uma tradicional “nonna”, ladeados por fotos em preto e branco. Clientes não demoravam muito a se tornarem amigos.

“Os que iam semanalmente para comer o mesmo risoto, quando não iam, justificavam o porquê de não terem ido”, recorda Paula.

Dos 26 tipos de pratos, o destaque ficava por conta dos feitos à base de carne: filé, linguiça e ovelha. Mas, um sabor, em especial, é o campeão de pedidos. “É o tradicional Caprese, ainda mais para os vegetarianos, pois não contém carne”, salientou.

A crise econômica de 2015 e 2016 já apontava alguns sinais. A média diária de clientes, de 50, passou para um pouco de mais de 30. Com o passar dos anos, a equipe chegou a ser reduzida pela metade. Mas nenhuma turbulência se comparou à chegada do novo coronavírus. As restrições de funcionamento impostas pelas medidas de combate à Covid-19 na Capital deixaram as tele entregas como fonte única de receita da casa.

“Em meio a uma pandemia, não tem muito o que fazer. A proprietária do imóvel reduziu um pouco o aluguel, mas não bastava para pagar a quantidade de ‘delivery’ que fazemos. Não aceitou que eu pagasse proporcional ao que recebia”, lamentou Paula que, a muito custo, decidiu entregar a casa.

A empresária, apaixonada por gastronomia e autodeclarada canceriana (“sou apegada às coisas”) teve a dura missão de ver os itens do Tutto Riso serem vendidos em leilão. “Foi dolorido demais, porque aquela era como se fosse a minha casa. Quem sabe, um dia, terei outro restaurante, mas acho que nunca mais daquele tamanho”, revela Paula.

No dia 5 de agosto, ela subiu a escadaria pela última vez. “Mas foi importante e necessário. Se encerrou um ciclo, para começar um outro”. Ela e sua equipe retornaram à cozinha do Puppi Baggio, onde continuam com as tele entregas. Para Paula, Tutto Riso, “Só arroz” em italiano, teve, ainda, outro significado. “Foram 18 anos de muito mais alegrias do que dissabores”, completa.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895