Em vez de auxílio, Guedes sugere congelar salários do funcionalismo

Em vez de auxílio, Guedes sugere congelar salários do funcionalismo

Ministro declarou nesta terça que ''se ocorrer a segunda onda da Covid-19'', governo vai focar na redução de gastos

R7

Guedes criticou atual presidente da Câmara

publicidade

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira que o governo federal pode adotar o "protocolo da crise" caso aumente o número de mortes de Covid-19 no país. A medida, esclareceu, representaria a proibição temporária de aumento de salários aos servidores públicos.

"Temos o protocolo da crise aperfeiçoado agora. Se você disser que a pandemia está realmente assolando o Brasil de novo, você vai declarar o estado de guerra, e isso é o seguinte: não tem aumento de salário durante dois anos do funcionalismo, os pisos estão todos bloqueados e acabou esse negócio do piso subir automaticamente."

"É a cláusula de calamidade fiscal, um caso agudo de emergência fiscal", explicou. "Mas tem que pensar dez vezes, é igual apertar o botão nuclear, apertou paga o preço. Não tem só que pegar o dinheiro e sair correndo."

O titular da Economia observou, no entanto, que não vê motivos para alarde em relação ao avanço das mortes. "Se houver uma segunda onda, o que é preciso ser bastante analisado, é necessária muita responsabilidade da classe política para não apertar o botão vermelho." Além da redução nos gastos com o funcionalismo, Guedes disse que não seriam possíveis gastos extras também com outras áreas, como educação e segurança.

Veja Também

Guedes explicou em uma videoconferência do Credid Suisse, da qual participou ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que se for necessário o governo pode acelerar as regras defendidas no pacto federativo, que previam o que ele chama sempre de 3D: desindexar, desvincular e desobrigar as despesas, "Nós íamos fazer uma transferencia gradual ao longo de oito anos recuperando o controle dos gastos públicos", acrescentou.

O ministro usou seu discurso também para afirmar que as críticas a Bolsonaro e os pedidos de impeachmento contra o chefe do Executivo partem de pessoas que não aceitaram a derrota eleitoral em 2018.  Pouco antes ele citou que Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Câmara, travou as pautas reformistas do governo federal por uma questão ideológica, por ser um representando da centro-esquerda.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895