Guedes: ''Com recuo da Covid-19, já está na hora de retomar reformas''

Guedes: ''Com recuo da Covid-19, já está na hora de retomar reformas''

Ministro da Economia fez declaração em videoconferência da ICC Brazil, na qual também defendeu aumento do comércio com a Índia

R7

Guedes defende aumento de comércio com a Índia

publicidade

Em um dia de participação em vários eventos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que já está na hora de o Congresso Nacional aprovar as reformas que estão na Câmara e no Senado e prometeu ir ao ataque por elas e pelas privatizações até o fim do governo.

 "Agora com a Covid descendo, a economia voltando, está na hora de novo (de retomar as reformas econômicas)", disse em evento do ICC Brazil, neste segunda-feira. "Dedicamos esse primeiro ano e meio para atacar as grandes despesas do governo. Jogamos na defesa. O segundo ano, e os próximos dois, vamos para o ataque. Vamos para as privatizações, com abertura, com simplificação, reforma tributária..."

Guedes voltou a dizer que há um acordo de centro-esquerda no Congresso que impede que avancem as desestatizações. E mais: "Tem ministro que gosta de empresa que está embaixo do ministério dele", comentou. De acordo com ele, sua equipe tem feito grandes avanços para modernizar a economia nacional , mas pediu apoio de entidades como o ICC na divulgação dessas boas práticas.

Guedes voltou a falar que há "falsas narrativas" que atribuem ao governo falta de planejamento e ação em situações como a pandemia. E também criticou as críticas às políticas ambientais da gestão de Bolsonaro.  

Veja Também

Ao falar sobre as reformas que espera tocar em 2021 citou a lei das falências. Para ele, é necessário modernizá-la para permitir que empresários com problemas de caixa, por exemplo, possam continuar investindo. Nesse momento, cometeu uma gafe ao chamar Donald Trump de ex-presidente dos Estados Unidos. O governo de Jair Bolsonaro não reconhece a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais daquele país. 

Ao responder a uma pergunta de um dos integrantes do ICC, entidade voltada para o comércio exterior, o ministro afirmou que um dos objetivo do governo federal, em médio prazo, é transformar a Índia em um parceiro comercial tão importante quanto a China. "Vamos levar de 2, 3 bilhoes de dólares por ano para 100 bilhões com a índia", apostou alto.

Ele também afirmou que o Brasil, na atual administração, avançou em acordos e temas parados há muito anos, como com a União Europeia, a reforma da Previdência, leilões de petróleo, além de ter entregue a reforma administrativa e o pacto federativo. "Acho que ninguém entregou tanto em tão pouco tempo."

Em sua visão, as grandes reformas econômicas só não saíram este ano por causa da pandemia e por causa do "time [tempo] político", que define os melhores momentos para tocar assuntos mais sensíveis ao país.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895