Huawei reduzirá produção em US$ 30 bilhões em 2019 e 2020
capa

Huawei reduzirá produção em US$ 30 bilhões em 2019 e 2020

Valor representa contração de cerca de um terço da produção convencional

Por
AFP

Washington está preocupado com avanço da empresa na infraestrutura 5g

publicidade

As vendas no exterior de smartphones da Huawei registraram queda de 40% este ano, afetadas pelas sanções comerciais dos Estados Unidos, admitiu nesta segunda-feira o fundador do grupo chinês de telecomunicações, Ren Zhengfei. A empresa informou ainda que reduzir sua produção em 2019 e 2020 por um valor equivalente a 30 bilhões de dólares. O grupo chinês é acusado pelo governo dos Estados Unidos de espionagem, o que levou Washington a aplicar sanções.

O valor representa uma contração de quase um terço da produção. Em 2018, a Huawei teve um faturamento de mais de 100 bilhões de dólares. "Nos próximos dois anos, a empresa reduzirá sua produção em 30 bilhões de dólares", declarou Ren, 74 anos, em uma entrevista coletiva na sede do grupo em Shenzhen, sul da China.

Leia mais sobre a crise da Huawei

Ren, um ex-engenheiro do exército chinês, que fundou o grupo de telecomunicações nos anos 1980, comparou a Huawei a um avião avariado que voltará a ganhar impulso a partir de 2021. "Em 2021, vamos recuperar nossa vitalidade para servir a humanidade", prometeu.

Vários países, começando pelos Estados Unidos, decidiram deixar de utilizar a Huawei para suas infraestruturas de telecomunicações, em particular para construir redes de telefonia 5G. A medida é um duro revés para a Huawei, número dois mundial na telefonia móvel, que depende dos chips eletrônicos americanos para fabricar seus smartphones.

Google anunciou que deixará de colaborar com a Huawei, grupo ao qual disponibiliza o sistema operacional Android para seus telefones. Washington está preocupado com o avanço da Huawei nas infraestruturas 5G, a quinta geração da telecomunicação móvel, uma área na qual a empresa chinesa é considerada líder.