Impasse no Orçamento trava 1ª parcela do 13º a aposentados

Impasse no Orçamento trava 1ª parcela do 13º a aposentados

Antecipação atrelada à aprovação do Orçamento da União agora aguarda a sanção do texto para o pagamento

R7

Ministério da Economia afirma que a medida está sendo finalizada pelo governo

publicidade

A antecipação do 13º salário de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pode começar a ser paga em maio, não mais em abril, como no ano passado. O impasse na sanção do Orçamento da União travou a liberação da primeira parcela, que em 2020 começou em abril, mas agora deve sair junto com o pagamento de maio.

O Ministério da Economia afirma que a medida está sendo finalizada pelo governo. O ministro economia, Paulo Guedes, afirmou em evento nesta sexta-feira (9) que medidas adicionais de apoio ao setor produtivo para o enfrentamento dos efeitos da pandemia deverão ser lançadas, mas com responsabilidade fiscal. “Vem aí também a antecipação do abono salarial, a antecipação do 13º do benefício de aposentados e pensionistas”, afirmou, sem determinar a data.

A previsão inicial era que o pagamento seria liberado assim que o Orçamento fosse aprovado pelo Congresso Nacional. O texto foi aprovado em março com atraso e sem receitas suficientes para despesas obrigatórias, como aposentadorias, após números terem sido subestimados e parlamentares terem direcionado verbas para emendas.

Mas as negociações para equilibrar o déficit fiscal acabaram atrasando a decisão para sancionar com vetos ou não. O Orçamento precisa ser sancionado até 22 de abril, pelo presidente Jair Bolsonaro.

Como a folha de pagamentos do INSS do mês de abril deve fechar já no final da próxima semana, a antecipação da parcela natalina deve sofrer atraso e ficar para os meses de maio (1º parcela) e junho (2ª parcela). No ano passado, o pagamento foi realizado em duas parcelas, a primeira junto com a aposentadoria de abril, e a segunda, com a de maio.

Veja calendário de pagamento dos benefícios do INSS

Impacto na economia

Com a antecipação do abono salarial, o governo espera injetar R$ 50 bilhões na economia em mais uma tentativa de amenizar a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Outros programas que foram bem-sucedidos em 2020 também estão emperrados por causa do Orçamento.

O BEm (Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda), que permite suspensão de contrato ou redução salarial, e o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), que oferece crédito mais vantajoso aos empreendedores, são alguns deles.

Segundo o Ministério da Economia, com estas iniciativas e a aceleração da vacinação, os impactos da pandemia serão bem menores em 2021, permitindo ao Brasil rápida retomada do caminho do crescimento sustentado, baseado em investimentos externos.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895