Inflação oficial desacelera para 0,11% em agosto, diz IBGE
capa

Inflação oficial desacelera para 0,11% em agosto, diz IBGE

Tomate, batata inglesa e hortaliças registraram quedas nos preços

Por
Correio do Povo

Tomate registrou queda de quase 25% devido aumento da oferta

publicidade

A inflação de agosto desacelerou para 0,11%, após registrar alta de 0,19% em julho, conforme Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira pelo IBGE. O resultado foi influenciado, principalmente, pela deflação nos grupos alimentação e bebidas e transportes. No acumulado dos últimos 12 meses, a taxa ficou em 3,43%.

Segundo o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, a redução nos preços de alguns dos principais alimentos consumidos no dia a dia dos brasileiros aconteceu por questão de aumento de oferta nos pontos de venda. O tomate registrou redução de 24,49% nos preços e a batata inglesa teve deflação de 9,11%. Hortaliças e verduras também registram queda de preços (-6,53%).

No grupo dos transportes, o maior impacto veio do preço das passagens aéreas, que tiveram redução de 15,66%, depois de altas de 18,9% e 18,63% em junho e julho, respectivamente. “Após os reajustes nos meses de férias, as passagens ficaram com uma base mais alta, e agora voltam para uma base mais baixa”, explica Pedro Kislanov.

No lado das altas, o grupo habitação registrou o principal impacto positivo no IPCA, influenciado pelo aumento de 3,85% na energia elétrica devido entrada em vigor da bandeira tarifária vermelha patamar 1, em agosto, que acrescenta às contas de luz uma cobrança de R$ 4 a cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Entre as 16 regiões pesquisadas pelo IBGE, sete tiveram deflação. Os preços em agosto ficaram menores em Vitória (-0,50%), Aracaju (-0,47%), São Luís (-0,31%), Campo Grande (-0,21), Belém (-0,20), Rio de Janeiro (-0,06) e Porto Alegre (-0,04%).

Porto Alegre

Além da deflação em relação a agosto, a Capital gaúcha registra uma inflação acumulada no ano de 2,47%. Nos últimos 12 meses, o índice é de 3,63%. 

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário de um a 40 salários mínimos. O índice abrange 10 regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília.

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados de 30 de julho a 27 de agosto de 2019 (referência) com os preços vigentes entre 29 de junho e 29 de julho de 2019 (base).