Mercados têm brisa de esperança após anúncios do Fed e melhora na saúde
capa

Mercados têm brisa de esperança após anúncios do Fed e melhora na saúde

Bolsa de Tóquio deu um salto nesta terça e fechou com alta de 7,13%

Por
AFP

Bolsa de Tóquio reagiu positivamente ao pacote do Fed

publicidade

Após vários dias sombrios, uma brisa de esperança varria os mercados financeiros nesta terça-feira, com os anúncios do Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos e sinais de melhora na área da saúde. O Fed anunciou na segunda-feira uma nova série de medidas - incluindo a compra ilimitada de títulos e dispositivos de apoio às empresas - para salvar a maior economia do mundo das terríveis consequências da pandemia de Covid-19.

"O cheque em branco do Fed, ineficaz para tranquilizar os mercados ontem (segunda-feira), pode surtir efeito quando o Congresso dos Estados Unidos chegar a um acordo sobre o plano de apoio à economia", estimou em nota Tangi Le Liboux, estrategista na Aurel BGC.

No momento, a Casa Branca e os legisladores não conseguiram chegar a um acordo para uma primeira votação sobre o gigantesco pacote de ajuda, mas as negociações continuam para alcançar uma votação nesta terça-feira no Senado. Assim, em um ambiente muito mais otimista, a Bolsa de Tóquio deu um salto nesta terça (+7,13% no fechamento), graças principalmente à queda do iene, às intervenções do Banco do Japão (BoJ) e às medidas do Fed.

As bolsas chinesas também encerram em alta de 2 a 4%, e as praças europeias abriram no positivo. No início das operações, o Dax 30 de Frankfurt subia 5,91%, o CAC-40 de Paris, 4,4%, o FTSE 100 de Londres, 3,8%, o IBEX 35 de Madri, 3,3% e o FTSE MIB de Milão, 3,5%. E Wall Street seguiu o passo, abrindo em alta. Por volta das 10h55min, seu principal índice, o Dow Jones Industrial Average subia 6,79%, a 19.854,25 pontos. O Nasdaq, com forte coloração tecnológica, ganhava 5,46%, para 7.235,24 pontos. O S&P 500, que representa as 500 maiores empresas de Wall Street, ganhava 6,00%, a 2.371,54 pontos.

Melhoria na China e na Itália

Por outro lado, os esforços de coordenação internacional devem começar a dar resultados. Rompendo um antigo tabu, os países da União Europeia (UE) autorizaram na segunda-feira a proposta da Comissão Europeia de suspender as regras de disciplina orçamentária para permitir aos governos aumentar seu gasto público e enfrentar o coronavírus.

Contudo, enquanto mais de 1,7 bilhão de pessoas estão confinadas em todo o mundo, o balanço da epidemia superando os 16 mil mortos, o FMI alertou que a recessão mundial pode ser pior este ano do que durante a crise financeira de 2008. Mas a esperança vem "dos sinais de melhora em Wuhan e na Itália", o que "poderia ajudar os mercados, ainda que vários países ainda estejam distantes do pico epidêmico", assegura Le Liboux.

A cidade chinesa de Wuhan (centro), berço da epidemia de Covid-19, vai acabar com as restrições aos deslocamentos em 8 de abril, depois de mais de dois meses de confinamento. Por sua vez, a Itália registrou na segunda-feira uma segunda queda consecutiva no número de mortos e de novos casos positivos, alimentando uma prudente esperança de uma desaceleração da pandemia, que já fez 6 mil mortos no país.

No mercado de câmbio, o euro, que já se valorizou em relação ao dólar na segunda-feira após as novas medidas do Fed, valia 1,0842 às 03h50min, contra US$ 1,0743 na segunda-feira às 16h. Os preços do petróleo, derrubados pela crise de saúde e divergências entre os produtores, também se recuperavam. Às 3h45min, o barril WTI, referência nos Estados Unidos, subia 4,54%, a US$ 24,41, e o barril de Brent do Mar do Norte aumentava 4,11%, a US$ 28,14. E o mercado da dívida permanece estável.

Como prevenir o contágio do novo coronavírus 

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.

• não compartilhar objetos pessoais.