ONS defende acionar todas as termelétricas para evitar chance de apagão

ONS defende acionar todas as termelétricas para evitar chance de apagão

Estratégia também prevê liberar mais água em duas hidrelétricas, entre outras medidas contra escassez de chuvas

AE

Hidrelétricas devem ser poupadas com uso de termelétricas

publicidade

Para atravessar o período seco e manter a segurança do abastecimento de energia, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) quer liberar mais vazão do reservatório de Furnas e Mascarenha de Moraes e segurar água nas cabeceiras dos rios que abastecem a maioria das usinas do Brasil nos próximos meses. O órgão defende ainda o acionamento de todo o parque de termelétricas, que geram energia mais cara, para manter a governabilidade das bacias ao longo do ano.

Mesmo com essas medidas, o ONS prevê paralisar a hidrovia Tietê Paraná em meados de julho, quando os volumes armazenados em Porto Primavera ficarão menores. Porém, a entidade avalia que a operação é a que melhor traduz o uso equilibrado das cascatas e múltiplo das águas.

Nota técnica divulgada pela entidade nesta sexta-feira, aponta uma situação crítica para as hidrelétricas que têm reservatórios atendidos pelas bacias dos rios Paranaíba, Grande, Tietê e Paranapanema, no Sudeste e Centro-Oeste do País.

O plano traçado pelo ONS considera o pior cenário possível, em que as chuvas, que normalmente voltam no fim de setembro e início de outubro, somente chegariam em novembro. É com essa previsão, que pode não se concretizar, que a entidade trabalha para assegurar o abastecimento de energia.

Se a operação for mantida sem as alterações propostas pelo ONS, haverá "perda do controle hidráulico de reservatórios da bacia do Rio Paraná" no segundo semestre. Isso significa que as usinas teriam de operar como se não tivessem reservatórios, a fio d'água, dependendo de chuvas para manter o funcionamento, arriscando inclusive paralisações.

Sozinha, a Bacia do Paraná responde por 53% da capacidade nacional de geração de energia do País. Hoje, o volume de água armazenada é de 28% de sua capacidade, o segundo pior nível de armazenamento dos últimos 21 anos nesta bacia.

Para evitar o colapso do sistema, o ONS propõe a adoção de ações claras, entre elas liberar mais água em Furnas e Mascarenhas de Morais, que hoje têm 37% e 55,8% de armazenamento, respectivamente, entre junho e novembro, para poupar outros reservatórios em situações mais críticas. Nesta região encontram-se as usinas como Marimbondo (6,6%), Água Vermelha (7,4%), Nova Ponte (16,2%), Emborcação (22,1%), Itumbiara (19%), São Simão (11,3%), Ilha Solteira (47,4%) e Três Irmãos (48,6%).

"Essas usinas e respectivos reservatórios são de extrema importância para a operação do Sistema Interligado Nacional (SIN), pois os recursos neles estocados são capazes de garantir energia nos períodos secos, quando não há contribuições significativas das usinas instaladas na região Norte do País", diz trecho do relatório.

Segundo o ONS, o conjunto de reservatórios localizados na bacia do rio Paraná corresponde a 76% da capacidade máxima de armazenamento do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste e a 53% da capacidade de armazenamento de todo o SIN.

Na semana passada, o governo emitiu alerta de emergência hídrica para os cinco Estados banhados pelos rios: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895