Para diretor do BC, 2ª onda da Covid-19 não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Para diretor do BC, 2ª onda da Covid-19 não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Segundo Bruno Serra, o avanço da pandemia gerou "lockdowns fortes" e as pessoas passaram a ficar em casa em 2020

AE

Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

publicidade

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta terça-feira que uma segunda onda de contaminação pela Covid-19 não tem, necessariamente, as mesmas consequências econômicas da primeira onda, verificada em 2020. "Não é nada simples reprisar o choque que vivemos em março e dizer que o impacto agora vai ser o mesmo", avaliou, durante evento virtual.

Segundo Bruno Serra, em março e abril de 2020 o avanço da pandemia gerou "lockdowns fortes" e as pessoas passaram a ficar em casa. Agora, a avaliação é de que há um recrudescimento da doença, mas como consequência da volta da mobilidade. Para o diretor do BC, é difícil estimar que o impacto da segunda onda na economia será o mesmo que o da primeira onda, vista no ano passado.

Grau de estímulo

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil, em meio à pandemia do novo coronavírus, mas que isso é "temporário". "A taxa de juros que precisamos colocar foi em ambiente de choque atípico", afirmou o diretor, durante evento virtual.  Atualmente, a Selic (a taxa básica de juros) está em 2,00% ao ano, no menor patamar da história. Em suas comunicações, o BC vem pontuando que o atual nível "extraordinariamente elevado de estímulo monetário" é adequado. 

Bruno Serra afirmou, no entanto, que "é natural esperar que o estímulo extraordinário vá sair de cena em algum momento". Segundo ele, isso já vem sendo projetado pelo mercado. "O debate vai ocorrer", afirmou, para depois acrescentar que "ainda é o momento de estímulo bastante extraordinário". 

Commodities

O diretor de Política Monetária do Banco Central avaliou ainda a alta mais recente das commodities no mercado internacional, que gerou efeitos para o mercado global de câmbio. Segundo ele, o movimento pode ser separado em duas partes.

Em primeiro lugar, conforme Serra, a pandemia do novo coronavírus levou um grande número de países a utilizar o espaço fiscal para "colocar dinheiro" na economia. "Os países desenvolvidos usaram o fiscal mais do que nós", pontuou o diretor. Segundo ele, com mais dinheiro nas mãos das pessoas, o consumo de produtos reagiu e os preços das commodities se recuperaram.

A segunda explicação para o avanço das commoditites está ligada ao clima. "A questão climática também pesou nos grãos e foi para os preços", afirmou. "A Arábia Saudita restringiu produção", acrescentou, em referência aos cortes mais recentes na produção de petróleo, que impulsionaram os preços da commodity e o dólar ante outras moedas no mercado internacional.

Câmbio

Ao avaliar de forma geral o movimento do câmbio nos últimos meses, Bruno Serra lembrou que o Brasil passou pelo que outros países passaram durante a pandemia, com a saída de investimentos estrangeiros. Além disso, ele lembrou que em 2020 o Brasil enfrentou um "ajuste grande" de estoques cambiais ligados ao overhedge - o hedge (proteção) em excesso que bancos com operações no exterior carregavam e que precisou ser reduzido até o fim do ano. 

O ajuste do overhedge, conforme Bruno Serra, somou cerca de US$ 35 bilhões. Para evitar pressão adicional no câmbio, o BC promoveu operações cambiais no fim de 2020, permitindo a redução do overhedge. "Era um problema que vivíamos no mercado de câmbio brasileiro. Reduzir o estoque de overhedge é doloroso, mas vai trazer frutos no futuro", defendeu.

Bruno Serra participou nesta terça de evento virtual sobre "Conjuntura Econômica Brasileira", organizado pela XP Investimentos.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895