Polo Petroquímico evita comentar sobre prejuízos causados por dano na Ponte do Guaíba

Polo Petroquímico evita comentar sobre prejuízos causados por dano na Ponte do Guaíba

Passagem no vão móvel não é realizada desde um acidente na quinta-feira passada

Jessica Hübler

Ponte do Guaíba está com vão móvel inoperante desde quinta-feira

publicidade

O içamento do vão móvel da Ponte do Guaíba não acontece desde a última sexta-feira por conta de um acidente ocorrido na noite de quinta-feira. Na ocasião, uma embarcação de grande porte colidiu contra um dos pilares da ponte, o que acarretou na suspensão do serviço de içamento do vão móvel. Por conta disso, embarcações de grande porte não podem passar pelo trecho, o que pode prejudicar a movimentação no Polo Petroquímico.

De acordo com o diretor administrativo do Comitê de Fomento Industrial do Polo Petroquímico (Cofip/RS), Sidnei Anjos, o Cofip/RS ainda está em “stand by” (modo de espera) porque as obras de recuperação, conforme a CCR Via Sul, estão evoluindo “muito bem”. “O prognóstico é bom, só não temos um prazo definitivo, mas vai ser encurtado e muito. Não vamos fazer nova manifestação e a ideia é que a gente logo logo regularize”, afirmou. Com relação aos prejuízos dos últimos dias, do acidente até agora, sem o içamento do vão móvel e sem o fluxo de embarcações de grande porte, Anjos reiterou que não há informações sobre o tema.

A CCR Via Sul informou que as obras no vão móvel estão avançando e os trabalhos podem ser concluídos ainda nesta semana. A concessionária reiterou que o objetivo dos serviços de recuperação no pilar, que ocorrem 24 horas por dia desde o acidente, é adiantar ao máximo o prazo de término das obras e retorno à normalidade na Ponte do Guaíba. 

A concretagem da viga foi finalizada nesta terça. Até ontem haviam sido realizados serviços de limpeza, confecção de novas formas e reposição de armadura. E até o meio da semana, conforme a CCR Via Sul, deve ocorrer a execução dos corpos de prova (testes de resistência) no local e avaliações mecânicas para posterior definição da data final dos trabalhos.

As obras estão sendo executadas pela empresa proprietária da embarcação envolvida na colisão. A CCR ViaSul, responsável pela operação da Ponte, acompanha e fiscaliza os trabalhos. O prazo inicial previsto era de dez dias, “porém, devido aos esforços feitos para a redução desta estimativa, os trabalhos podem ser encerrados até o final desta semana”.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895