Preço do gás de cozinha é o maior do século e compromete 9,4% do salário mínimo

Preço do gás de cozinha é o maior do século e compromete 9,4% do salário mínimo

O gás foi vendido, segundo a ANP, pelo preço médio de R$ 113,48

R7

Gás de cozinha compromete salário mínimo

publicidade

O preço do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) de 13 quilos, ou gás de cozinha, bateu recorde histórico neste mês de abril, atingindo a maior média mensal real, descontada a inflação, desde o início da série histórica do levantamento de preços da  ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), iniciada em 2001.

O botijão de 13kg é vendido no Brasil a um valor médio de R$ 113,48, segundo a ANP e representa 9,4% do salário mínimo, o patamar mais elevado desde março de 2007 - quando o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350.

O levantamento é do OSP (Observatório Social da Petrobras), organização ligada à FNP  (Federação Nacional dos Petroleiros), com base no preço médio mensal do GLP e na média de valores semanais de revenda em abril, divulgados pela ANP.

Os dados mostram que em março passado, o gás de cozinha já tinha alcançado o maior preço médio real da série histórica, sendo vendido a R$ 109,31. Antes disso, o recorde tinha sido registrado em novembro de 2021, com o preço médio de R$ 106,50.

Segundo o economista Eric Gil Dantas, do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps), o gás de cozinha voltou a comprometer o salário mínimo na mesma proporção de 2007. "Nesses 15 anos, com a manutenção do preço do gás de cozinha e a valorização do salário mínimo, essa proporção foi caindo, mas houve uma inversão em 2017 com a alta dos valores do GLP e o aumento real do salário mínimo", ressalta.

Famílias passaram a utilizar a lenha

Essa mudança de cenário, completa o economista, trouxe um primeiro efeito imediato, que foi o crescimento do uso de lenha pelas famílias brasileiras.

"Entre os anos de 2013 e 2016, de acordo com dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), a população consumia mais GLP do que lenha. Mas a partir de 2017, a lenha voltou a ser mais utilizada do que o gás de cozinha nas residências do País. E, em 2020, esse consumo já era 7% maior do que o de GLP", afirmou Dantas.


Azeite gaúcho conquista prêmio internacional

Produzido na Fazenda Serra dos Tapes, de Canguçu, Potenza Frutado venceu em primeiro lugar na categoria “Best International EVOO” do Guía ESAO

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895