Programa de Demissão Voluntária da Caixa preocupa Sindbancários
capa

Programa de Demissão Voluntária da Caixa preocupa Sindbancários

Instituição atualmente emprega 95 mil funcionários no Brasil

Por
Heron Vidal

Instituição atualmente emprega 95 mil funcionários no Brasil

publicidade

O anúncio do programa de demissão voluntária (PDV) aberto nesta quarta-feira pela Caixa Econômica Federal esconde o início de um processo de enxugamento para fusão com o Banco do Brasil e até futura privatização. Esse é o sentimento entre o meio sindical, observou o diretor do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários), Jailson Bueno Prodes.

Conforme o sindicalista, a Caixa não é um banco privado, impessoal de atendimento eletrônico e digital. Trata-se de uma instituição de natureza social que atende a classe média, pessoas economicamente pobres, idosos e clientes de baixa inclusão na web.

Por ser agente financiador de programas como o Minha Casa, Minha Vida e órgão repassador de recursos a obras de saneamento básico a prefeituras, a Caixa não pode ser tratada pelo governo como se fosse banco privado exclusivo de investidores. “O foco do atendimento da Caixa é justamente o grande público”, disse.

Prodes, que representa os servidores da Caixa no Sindbancários. entende que o procedimento do governo deveria ser inverso: contratar mais servidores para atender a grande massa de pessoas que irão sacar o saldo de suas contas inativas do FGTS, cujo total é estimado em R$ 30 bilhões, liberado em dezembro passado.

Aos trabalhadores, na avaliação de Prodes, o PDV significará mais encargos e carga de trabalho se vier a ser confirmada a adesão de 10 mil funcionários, calculada pela direção da Caixa.

Hoje a instituição tem 95 mil empregados no Brasil. “Assim como o Banrisul, aqui no Estado, a Caixa entrou na lista de bancos privatizáveis”, criticou o diretor do Sindbancários.