Rússia não descarta aliança com a Opep
capa

Rússia não descarta aliança com a Opep

País recusou proposta de cartel para diminuir produção de petróleo

Por
AFP

Opep quer que países façam diminuição na produção de petróleo

publicidade

O ministro russo da Energia, Alexander Novak, declarou nesta terça-feira que seu país não descarta uma aliança com a Opep para estabilizar o mercado do petróleo. "A porta não está fechada", disse, em uma entrevista ao canal Rossiya 24, em que ressaltou que o fato do acordo de redução da produção não ter se prolongado além do mês de abril "não significa que no futuro não possamos cooperar entre países Opep e não Opep".

"Se for necessário temos várias ferramentas, entre elas uma redução e um aumento da produção, e se pode chegar a novos acordos. Previmos reuniões regulares em maio e junho para avaliar a situação", disse Novak.

A Rússia, que não é membro da Opep, se negou nessa sexta-feira a aceitar a proposta do cartel, liderado pela Arábia Saudita, de uma nova redução da sua produção de 1,5 milhão de barris. As petroleiras russas temem perder participação de mercado para competir com o petróleo de xisto americano.

Após a negativa russa, a Arábia Saudita decidiu rebaixar seus preços a níveis de 20 anos atrás e, ao mesmo tempo, aumentar a produção para 12,3 milhões de barris por dia a partir de abril. O ministro Novak assegurou que a Rússia poderá "no curto prazo aumentar sua produção em 200 a 300 barris por dia, com um potencial de 500 mil barris diários em um futuro próximo".