RS registra queda de 7,6% e tem pior resultado do comércio varejista do país em agosto
capa

RS registra queda de 7,6% e tem pior resultado do comércio varejista do país em agosto

Dados foram divulgados pelo IBGE

Por
Samantha Klein

Lojistas estimam recuperação somente em 2020

publicidade

Após dois meses de reação do setor varejista gaúcho, o comércio sofreu um baque negativo de 7,6% na passagem de julho para agosto, de acordo com Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Estado registrou pior resultado da federação, segundo o IBGE. No país, o setor cresceu 0,1% no oitavo mês do ano. 

Vindo de um cenário de perdas, a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL) previa recuperação de aproximadamente 4,5% em 2019. Porém, segundo o presidente da entidade, o crescimento será de, no máximo, 2,5%. Vários são os motivos pelos quais o comércio não decola, segundo Victor Koch. 

"A nossa carga tributária é muito elevada; uma das mais elevadas da federação. Dessa forma, o nosso custo de produção tira a nossa competitividade das indústrias se refletindo no comércio. Além disso, o advento do e-comerce (vendas pela internet) tem impactado muito o varejo gaúcho. E quem fatura em impostos são outros estados", sustenta. 

Para o final do ano, com as promoções da Black Friday e as vendas de Natal, Koch estima recuperação. "O segundo semestre é melhor para o comércio porque há mais circulação de dinheiro com o 13º salário e divisão de lucros nas empresas. Portanto, acreditamos que haverá pequeno crescimento". Segundo ele, com as reformas do governo federal e estadual, a expectativa de recuperação do varejo vai ficar para 2020.

No País

O comércio teve resultados positivos em 15 das 27 unidades da federação pesquisadas pelo IBGE: Piauí (11,9%); Amapá (4,3%); e Maranhão (3,9%) foram os destaques. Depois do Rio Grande do Sul, a sequência de quedas do varejo teve o Rio de Janeiro (-2,3%) e Roraima (-2,1%) com os piores resultados de agosto.   

Em todo o Brasil, os supermercados impediram que as vendas do setor varejista ficassem negativas em agosto. O volume do comércio no mês cresceu 0,1% em relação julho, o que indica estabilidade, mas é o terceiro mês seguido que o setor tem taxa positiva, acumulando alta de 1,2% no ano. Já nos últimos 12 meses o comércio registrou perda de ritmo nas vendas, ao cair de 1,6% em julho para 1,4% em agosto.

Registram queda em comercialização os setores de combustíveis e lubrificantes (-3,3%), tecidos, vestuário e calçados (-2,5%), móveis e eletrodomésticos (-1,5%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-0,3%), o que indica que o consumidor está priorizando os gêneros de primeira necessidade.

“A variação negativa para esses produtos confirma que a população está dedicando mais seu orçamento às compras essenciais. O equilíbrio entre essas quatro categorias em queda com dois grandes setores em alta levou o mercado a um patamar mais próximo da estabilidade”, avaliou a pesquisadora do IBGE, Isabella Nunes.