"Só me dá dor de cabeça", diz Bolsonaro sobre Petrobras

"Só me dá dor de cabeça", diz Bolsonaro sobre Petrobras

Presidente disse que não pode interferir na política de preços da estatal, apesar de ser responsabilizado pelo aumento dos combustíveis

R7

Bolsonaro mencionou novamente a inclusão da Petrobras no "radar da privatização"

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que a Petrobras é uma empresa que só dá “dor de cabeça” a ele. “Alguns acham que a culpa (do preço dos combustíveis) é minha. Eu posso interferir na Petrobras? Eu vou responder a processo. O presidente da Petrobras vai acabar sendo preso. É uma estatal que, com todo respeito, só me dá dor de cabeça”, disse.

Bolsonaro deu a declaração em entrevista à Jovem Pan, que ele próprio também transmitiu pelas redes sociais. Ele mencionou mais uma vez que a empresa está no "radar da privatização” como forma de quebrar monopólio do setor de combustíveis.

“Outro dia chegou um assessor: ‘Olha, a Petrobras acabou de bater recorde na produção de barril’”, disse o presidente, reproduzindo o que teria dito o auxiliar. “E qual a consequência disso? O que o povo vai pensar? Nós somos autossuficientes? Somos. Mas, dadas as leis do passado, a vinculação do preço do combustível levando em conta o barril Brent lá fora e o dólar, o reajuste é automático”, prosseguiu Bolsonaro. O presidente ainda disse que a estatal “é uma empresa que hoje em dia está prestando serviço para acionistas”.

Veja Também

Impacto no mercado 

Na última segunda-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou que basta uma frase do presidente Jair Bolsonaro sobre a privatização da Petrobras para que as ações da estatal comecem a subir. Nesse contexto, Guedes ainda defendeu a destinação de R$ 30 bilhões aos mais pobres via Auxílio Brasil.

"Bastou o presidente dizer 'Olha, vamos estudar isso aí, isso é um problema' para que o negócio subisse 6%. De repente são mais duas, três semanas, se isso acontecesse, são R$ 100 a R$ 150 bilhões criados, isso não existia", afirmou o ministro da Economia.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895