União Europeia valida os primeiros planos de reativação pós-covid

União Europeia valida os primeiros planos de reativação pós-covid

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi a primeira pessoa a utilizar o "passaporte de saúde" na viagem para Portugal

AFP

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi a primeira pessoa a viajar com o "passaporte de saúde" europeu, que entrará em vigor em 1° de julho

publicidade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chegou a Lisboa nesta quarta-feira e segue depois a Madri para demonstrar o apoio de Bruxelas aos planos português e espanhol de reativação pós-pandemia, financiados com um empréstimo comum sem precedentes no continente.

Portugal, que detém a presidência semestral do Conselho Europeu, deu o exemplo ao tornar-se, em abril, o primeiro país a apresentar a Bruxelas os seus projetos de investimento, incluídos no mega-plano europeu de reativação pós-Covid de 750 bilhões de euros (910 bilhões de dólares), duramente negociado pelos 27 estados-membros até a sua adoção em julho de 2020.

Desde então, a maioria dos Estados-membros também apresentou os seus e receberá a visita de Von der Leyen, que viajou pela primeira vez com o "passaporte de saúde" europeu, que entrará oficialmente em vigor em 1º de julho.

Segunda etapa da viagem, a Espanha será o segundo maior beneficiário dos fundos europeus, atrás apenas da Itália. Madri receberá 70 bilhões de euros (85 bilhões de dólares) em subvenções diretas e outros tantos bilhões na forma de empréstimos, totalizando 140 bilhões de euros (170 bilhões de dólares). A presidente da Comissão irá à Grécia e à Dinamarca na quinta-feira e visitará Luxemburgo na sexta-feira.

"Dois países do sul da Europa, que no passado não se sentiam acompanhados pela perspectiva europeia, agora notaram um extraordinário apoio e generosidade de seus parceiros do norte", disse à Toni Roldán, diretor do centro de pesquisa política econômica EsadeEcpol em Madri.

De fato, o clima político na Europa mudou para melhor para Espanha e Portugal, que durante a crise da dívida de 2011 sofreram juntamente com a Grécia os ataques dos chamados 'países frugais', irritados por terem de financiar as despesas de seus parceiros do sul da UE, segundo eles menos virtuosos em termos de finanças.

A Espanha foi um dos países mais atingidos pela primeira onda da pandemia do coronavírus, na primavera de 2020, enquanto Portugal viveu o seu pior momento no início deste ano. Ambas as economias, altamente dependentes do turismo, sofreram gravemente.

E embora persistam algumas dúvidas sobre as condições associadas a estes planos de reativação, Toni Roldán reconhece que esperava da Espanha e de Portugal "maior ambição de reformas", especificamente na área da educação.

"Compreendo que seja difícil para a Comissão neste ambiente complicado, com o aumento do populismo, todo o sofrimento pós-pandemia... É difícil exigir reformas muito profundas, mas ao mesmo tempo é o melhor momento", argumenta Roldán.

Transição ecológica

Em Lisboa, Von der Leyen vai encontrar-se com o primeiro-ministro António Costa, cujo país vai receber 16 bilhões de euros (19 bilhões de dólares) em verbas não reembolsáveis, num centro de exposições científicas.

Em Madri, a alemã será recebida à tarde pelo presidente do governo, o também socialista Pedro Sánchez, na sede da 'Red Eléctrica de España' (REE). A maior parte dos investimentos do plano espanhol (39%) será dedicada à transição ecológica.

Para financiar estes investimentos, os países da UE chegaram a um acordo sobre um mecanismo sem precedentes que permite emitir dívida conjunta e cujo processo de ratificação foi concluído no final de maio nos 27 Estados-membros.

A primeira emissão de dívida, no valor de 20 bilhões de euros, foi realizada na terça-feira e foi festejada por Von der Leyen como "a maior operação" já realizada na Europa.

A Comissão planeia angariar 100 bilhões de euros em títulos de longo prazo até ao final do ano para financiar os planos de recuperação nacionais.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895