Cpers aponta falta de banheiro em mais de 300 escolas estaduais e somente 26% possuem água potável

Cpers aponta falta de banheiro em mais de 300 escolas estaduais e somente 26% possuem água potável

Entidade busca negociar melhores condições sanitárias para retorno presencial às aulas em 2021

Rádio Guaíba

Governo estadual programou volta das aulas no dia 8 de março

publicidade

O Cpers/Sindicato divulgou, nesta segunda-feira, dados apontando que 328 das 2.410 escolas da rede estadual de educação não possuem banheiro e apenas 26% das instituições dispõem de água comprovadamente potável. A denúncia chega no momento em que a entidade busca negociação do retorno das atividades escolares com segurança sanitária para alunos, educadores e servidores da rede. Conforme o sindicato, os dados fazem parte do Censo Escolar 2020, analisados pelo Dieese.

O levantamento enfatiza que 86,3% das escolas estaduais recebem abastecimento da rede pública, mas que não há garantias de que a água seja apropriada ao consumo humano. A precariedade da rede também é evidenciada pela falta de esgotamento sanitário, que chega a apenas 54,8% das instituições. Outro destaque é a carência de acessibilidade: 69,8% das instituições não possuem banheiro adaptado ao uso de alunos com deficiência ou mobilidade reduzida.

Veja Também

Diante do retorno das aulas programado pelo governo do Rio Grande do Sul, para 8 de março, o Cpers divulga os números na expectativa de que sejam considerados no debate sobre a retomada das aulas presenciais em meio à pandemia de coronavírus. A entidade também argumenta que as redes pública e privada não podem ser consideradas igualitárias em relação às condições de higiene.

De acordo com o sindicato, esse entendimento “desafia a inteligência de quem conhece a rede estadual; escolas sucateadas, com estrutura precária, deficitária em recursos humanos e sem condições de cumprir os protocolos sanitários”.

O Cpers justifica ainda a impossibilidade de comparação das redes pública e privada com a falta de investimentos consistentes na manutenção e qualificação dos equipamentos públicos que compõem a rede, bem como na valorização de profissionais que, segundo a entidade, tiveram perdas salariais que corroeram 40% do poder de compra, em seis anos.
O sindicato alega que para ter um “retorno seguro”, é necessário priorizar a vacinação de educadores e prover EPIs, recursos humanos e financeiros, além de testagem em massa a toda a comunidade escolar.

Seduc garante condições para retorno presencial

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) emitiu nota em que garante que as escolas dispõem de condições para um retorno presencial. Nos casos em que a instituição de ensino apresentar problemas estruturais, a Seduc informou que a equipe diretiva precisa comunicar a Coordenadoria Regional de Educação para que a necessidade de reparos seja encaminhada à Pasta.

A nota esclarece ainda que para o retorno das aulas em modelo híbrido (à distância e presencial) em 2020, o Estado investiu cerca R$ 270 milhões para aprendizagem, capacitação, aquisição de equipamentos de proteção e materiais de desinfecção e contratação de professores e profissionais de apoio.

“Somente para a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), foram investidos R$ 15,3 milhões. Estes materiais e toda a estrutura montada pelo Estado serão utilizadas no ano letivo de 2021”, completa a Seduc.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895