Defensoria vai recorrer de decisão que mantém datas do Enem

Defensoria vai recorrer de decisão que mantém datas do Enem

Defensor regional de direitos humanos, João Paulo Dorini, deve protocolar contestação após sentença da Justiça Federal em SP

R7

Justiça Federal determinou manutenção do calendário do Exame Nacional do Ensino Médio

publicidade

A DPU (Defensoria Pública da União) vai recorrer da decisão da Justiça Federal em São Paulo que negou o adiamento das provas e manteve as datas do Enem 2020 (Exame Nacional do Ensino Médio). A informação foi confirmada ao R7, nesta terça-feira, pela assessoria de imprensa do órgão. 

De acordo com informações apuradas pela reportagem, no início da tarde, o defensor regional de direitos humanos, João Paulo Dorini, deve protocolar "em breve" recurso contra a sentença da juíza Marisa Cláudia Gonçalves Cucio.

No início da tarde de hoje, a Justiça Federal negou o adiamento das provas do Enem 2020. A magistrada Marisa Cláudia Gonçalves Cucio acatou pedido da AGU (Advocacia Geral da União) de que nova alteração de datas causaria prejuízos financeiros e também prejudicaria a formação dos estudantes.

Veja Também

No texto, a juíza afirma que o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) está preparado para oferecer todas as medidas necessárias para evitar a transmissão do novo coronavírus. "há informações suficientes sobre as medidas de biossegurança para a realização da edição 2020 do Enem".

Na semana passada, a DPU (Defensoria Pública da União) entrou na Justiça pedindo um novo adiamento do Enem diante do aumento de casos da covid em todo o país. A ação foi realizada em conjunto com entidades estudantis como a UNE (União Nacional dos Estudantes) e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas).

O secretário executivo do Ministério da Educação, Victor Godoy Veiga, usou a web para celebrar a sentença da Justiça. "Estamos preparados para a aplicação do Enem. O Ministério da Educação, o Inep e o ministro Milton Ribeiro trabalharam muito para garantir a segurança de todos os envolvidos", escreveu no Twitter.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895