Direção denuncia fechamento de escola estadual em Porto Alegre

Direção denuncia fechamento de escola estadual em Porto Alegre

Comissões da Assembleia encaminharam a denúncia e cobraram uma posição da Seduc

Por
Jessica Hübler

Comunidade escolar protestou com cartazes colados no prédio


publicidade

Há uma tentativa de fechamento da Escola Estadual de Ensino Fundamental Estado do Rio Grande do Sul, no Centro de Porto Alegre. A situação foi denunciada pela direção da instituição de ensino. Por conta disso, os mais de 280 alunos da instituição estão com destino incerto. A suspensão das aulas presenciais ocorreu em 19 de março mas, em agosto, uma situação surpreendeu a direção.

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) encaminhou um e-mail informando que o prédio onde funciona a escola seria usado como um albergue para pessoas em situação de rua que pudessem vir a contrair uma versão menos agressiva da Covid-19.

A princípio a estrutura seria emprestada por três meses para esta finalidade mas, prontamente, a direção da escola argumentou que os professores utilizam materiais da instituição para a produção e impressão das atividades que são entregues aos alunos que não possuem acesso à internet e que o prédio não poderia ser cedido. Dias depois, em uma reunião com a Seduc, a direção da escola foi informada que os equipamentos e os alunos seriam realocados para a Escola Técnica Parobé durante toda a pandemia. Ou seja, não haveria um período pré-definido para o “empréstimo” do espaço.

Tanto o corpo docente, quanto os pais dos alunos e também ex-alunos da instituição de ensino consideraram a proposta como inaceitável e realizaram um abaixo assinado com mais de três mil apoiadores, além de notas de repúdio. Após as manifestações, tanto da Escola Estado do Rio Grande do Sul, quanto da Escola Técnica Parobé e demais envolvidos, as discussões sobre o tema pararam de acontecer. Até que, na manhã de quinta-feira, a direção recebeu mais um e-mail da Seduc, no qual a pasta somente solicitava que as chaves do prédio fossem entregues, o que foi negado.

No mesmo dia, já no turno da tarde, os cadeados da Escola Estado do Rio Grande do sul foram arrombados e a escola invadida. Todos os computadores e demais equipamentos administrativos foram levados. E um novo cadeado foi colocado no portão, do qual a direção não tem a chave. Por conta do ocorrido, uma mobilização foi realizada em frente à Escola. O vice-diretor da Escola, Pablo Girondi, define a situação como absurda. “Como podem estourar o cadeado de uma escola e mexer nos materiais sem autorização da direção?”, questiona. Segundo ele, o fechamento forçado não foi acertado com a comunidade escolar.

Além disso, ele afirmou que a manifestação na frente do prédio foi promovida para evitar que mais materiais fossem levados. Ainda conforme Pablo, os equipamentos teriam sido levados para a Escola Estadual de Ensino Fundamental Professora Leopolda Barnewitz, que fica a cerca de 1,2km do prédio atual, no bairro Cidade Baixa. “A comunidade escolar não quer entregar a nossa estrutura, são mais de 280 famílias que serão deslocadas, além de funcionários e professores, para fazer um albergue que poderia ser feito em outros espaços”, enfatiza.

Seduc será denunciada por arrombamento de escola em Porto Alegre

As comissões de Educação e de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa vão encaminhar denúncia pelo arrombamento da Escola Estadual de Ensino Fundamental Rio Grande do Sul pela Secretaria Estadual de Educação. O tema foi debatido na sexta-feira em reunião conjunta das duas comissões. A deputada Luciana Genro (Psol) criticou o secretário Faisal Karam que, segundo ela, "teve uma postura autoritária e inflexível" durante a reunião com os parlamentares e a comunidade escolar.

O ofício com a denúncia será enviado ao secretário de Segurança Pública e vice-governador do Estado, Ranolfo Vieira Júnior; à Chefe da Polícia Civil do Estado, delegada Nadine Anflor, e ao responsável pela delegacia de Polícia Civil da região do Centro Histórico. Ainda como encaminhamento da audiência, as comissões já acionaram a Promotoria Regional de Educação do Ministério Público para requisitar informações ao governo do Estado sobre o fechamento da escola. Desde a manhã desta sexta, a comunidade escolar ocupa a escola contra a medida.


A Promotoria de Justiça Regional de Educação de Porto Alegre confirmou que recebeu o documento da Assembleia Legislativa e solicitará informações prévias à Secretaria de Educação.