Enem tem questões sobre desastre em Mariana, Copa do Brasil e carros elétricos

Enem tem questões sobre desastre em Mariana, Copa do Brasil e carros elétricos

Candidatos fazem até as 18h30min as provas de Ciências da Natureza e Matemática

AE

Estudantes encararam o segundo dia de provas do Enem neste domingo

publicidade

Estudantes que fizeram a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste domingo, 28, encontraram questões sobre o desastre em Mariana, ocorrido em 2015, vários itens sobre energia e uso de combustíveis, além de uma questão de análise combinatória com uma tabela da Copa do Brasil. Os candidatos fazem até as 18h30min as provas de Ciências da Natureza e Matemática.

Segundo Gabryel Real, gerente de Processos Avaliativos do SAS Plataforma de Educação, a prova deste domingo, 28, não trouxe surpresas nem questões polêmicas. "Foi uma prova com a cara do Enem, com situações-problema, que exigia habilidade de leitura de gráfico e com contextualizações relacionadas à vida do aluno."

Entre as questões que chamaram a atenção, estava uma na prova de Ciências da Natureza que abordava o desastre de Mariana, em Minas Gerais, em 2015, quando houve o rompimento de uma barragem da Samarco. "Falava sobre o impacto do desastre em Abrolhos, que fica bem distante e pedia para escolher algumas das espécies locais que foram afetadas pelos dejetos."

Hove ainda várias questões sobre energia e combustíveis. Uma delas, abordou o tema dos carros elétricos, destacando o entrave do tempo de recarga desses veículos. Apesar de a prova trazer à tona o tema de energia e combustíveis, não houve, segundo Real, menção explícita ao aquecimento global. Também não havia questões sobre a Floresta Amazônica.

Em Matemática, os estudantes se depararam com uma questão de análise combinatória que usava uma tabela da Copa do Brasil, de 2015. Também encontraram itens de Geometria, como é esperado no Enem. "Vinte e uma questões envolviam leituras de gráficos e tabelas. É uma habilidade já esperada para a prova de Matemática e foi bem recorrente."


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895