"Fui pego de surpresa" diz Marcos Pontes sobre corte de verba

"Fui pego de surpresa" diz Marcos Pontes sobre corte de verba

Segundo o ministro, durante audiência na Comissão de Educação da Câmara, recursos devem ser repostos pelo governo

R7

"Fui pego de surpresa" diz Marcos Pontes sobre corte de verba

publicidade

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, participou nesta quarta-feira (13) de uma audiência na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Questionado sobre os cortes na ciência, ele afirmou que "até o presidente foi pego de surpresa"e afirmou que pediu ajuda de Bolsonaro "para recuperar os recursos".

Na última sexta-feira (8), o Congresso aprovou o remanejamento de mais de R$ 600 milhões do orçamento previsto para pesquisas no país. O pedido foi feito pelo Ministério da Economia, que por meio de nota informou que "essa proposta de alteração ocorreu para cumprir decisão governamental quanto à necessidade de remanejar recursos neste momento, a qual foi referendada pela Junta de Execução Orçamentária (JEO)."

Pelo Twitter, o ministro chegou a afirmar que "foi falta de consideração" os cortes dos recursos e que são "equivocados"e "ilógicos".  

Durante a audiência, Pontes reafirmou que "foi pego de surpresa" e que conversou com o presidente Jair Bolsonaro na última terça-feira (12), "ele também foi pego de surpresa. Pedi ajuda para a recuperação desses recursos, ele prometeu que vai ajudar", afirmou.

O ministro também afirmou que falou com a "ministra Flávia [Arruda] da Secretaria de Governo e eles prometeram que isso vai ser reinstituído. Não é muito, são 600 e poucos milhões. Não é um recurso alto, mas é um recurso essencial e que trata de coisas estratégicas.”

Além dos cortes no orçamento, os parlamentares questionaram a situação dos sistemas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que sofreu com um apagão -  a plataforma Lattes, que hospeda informações de alta significância dos pesquisadores brasileiros e da produção científica do País, ficou fora do ar por vários dias. Além disso, o CNPq sobre com "abruptos cortes de financiamento" e está operando com o menor orçamento dos últimos 21 anos. Marcos Pontes explicou o funcionamento das plataformas e as falhas ocorridas, o que já havia sido dito anteriormente.

Pontes também teve de explicar a reunião que teve com uma deputada neonazista, Beatrix von Storch que é vice-líder do Partido Alternativa para a Alemanha, que foi recebida oficialmente no gabinete do ministro. Ele afirmou que "não sabia" se tratar de uma deputada de extrema-direita e que ficou "preocupado" quando viu a repercussão na imprensa.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895