Grupos de pais criticam aulas presenciais no RS
capa

Grupos de pais criticam aulas presenciais no RS

Mobilizações ocorrem nas redes sociais, inclusive com petições abertas

Por
Correio do Povo

publicidade

As representantes de movimentos de Mães e Pais de escolas públicas e privadas, Aline Kerber e Clarissa Maria, se manifestaram contra a volta das aulas presenciais no Rio Grande do Sul. Para ampliar a mobilização, dois grupos formados por integrantes da comunidade escolar criaram páginas (facebook.com/SemAulaDuranteAPandemia e facebook.com/groups/228765681783120) nas redes sociais em defesa da não retomada das aulas. Elas participaram, na terça-feira, da reunião da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa que debateu o assunto. 

Os grupos lançaram abaixo-assinados on-line para manter as atividades a distância, enquanto durar a pandemia de Covid-19. Segundo Cassiana Lipp, mãe de aluno da rede privada e integrante de um dos grupos, já são cerca de 43 mil assinaturas eletrônicas no total, além da elaboração de um documento, que vem sendo entregue às autoridades municipais e estaduais. “Sabemos, que existem pressões econômicas e políticas, mas a vida está em primeiro lugar. Crianças são vetores de contágio, muitas famílias possuem pessoas dos grupos de risco e o ano letivo pode ser recuperável”, defende Cassiana.

As petições on-line podem ser encontradas aqui e aqui

Na reunião da Comissão de Educação ficou definida a constituição de um Comitê Multidisciplinar para acompanhar e propor atividades pedagógicas e protocolos de volta às aulas, durante a pandemia da Covid-19. Conforme a presidente da Comissão, deputada Sofia Cavedon, a volta às aulas presenciais necessita “superar desafios pedagógicos e sanitários”, pois “para 40 instituições estaduais, faltam 72 trabalhadores de limpeza e alimentação, e nesse mesmo universo faltam 76 professores", afirmou a parlamentar.