ICBS da UFRGS inaugura novo prédio com a presença de ministro da Educação

ICBS da UFRGS inaugura novo prédio com a presença de ministro da Educação

Com 19 mil metros quadrados, novo prédio receberá inicialmente três departamentos

Felipe Nabinger

publicidade

Em um espaço que abrigará futuramente uma biblioteca, o Instituto de Ciências Básicas da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ICBS/UFRGS) inaugurou a ala sul do seu novo prédio, na avenida Ipiranga, quase esquina com a Ramiro Barcelos. A cerimônia, realizada no final da manhã desta segunda-feira, contou com a presença do ministro da Educação, Milton Ribeiro, que anunciou na oportunidade a liberação imediata de R$ 5 milhões para mobiliar o espaço.

“Tenho certeza que esse prédio vai se somar ainda mais às questões de pesquisa e fico muito feliz com isso que a gente pode entregar”, disse o ministro. Ele colocou a pasta à disposição da reitoria da UFRGS. “Quero saudar o reitor, que tem, da minha parte, todo apoio. Nossas portas estão abertas no Ministério da Educação (MEC)”, frisou.

O ministro diz que o MEC visou cumprir com os compromissos do custeio da rede pública, apesar da diminuição de verbas em meio a pandemia. "Os recursos foram poucos, mas mesmo assim nenhum professor de escola federal teve um dia sequer de salário atrasado. Nenhum teve esse desprazer que alguns brasileiros da iniciativa privada", afirmou. Ribeiro projetou que em 2022 haverá mais recursos para o ensino federal, citando a maior arrecadação por meio de impostos.

O reitor Carlos André Bulhões agradeceu o empenho do governo federal e o apoio do MEC. “Graças ao trabalho intenso de muita gente, está aqui o resultado”, disse. Ele frisou a necessidade da universidade retornar o investimento público à comunidade. "É um momento de enorme alegria. Esse prédio representa tudo aquilo que precisamos produzir em uma universidade: uma estrutura adequada, um ambiente que possa formar profissionais qualificados e a possibilidade de gerar ações em benefício da sociedade", afirmou.

Com 19 mil metros quadrados, o novo prédio do ICBS receberá inicialmente três departamentos. “Esse novo espaço vai concentrar as atividades de pesquisa dos departamentos de Farmacologia, de Fisiologia e de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia”, explicou a diretora do ICBS, Ilma Simoni Brum da Silva. 

A diretora frisou que a mudança para o local trará alterações que transcendem a ocupação de novas salas e laboratórios. “Além da mudança da área física, neste novo prédio teremos mudança de conceito em uma área de trabalho com os laboratórios multiusuários”, explicou. Essas áreas, de infraestrutura compartilhada, poderão ser utilizadas por toda a comunidade do instituto e de outras instituições.

Investimento e infraestrutura

O prédio abrigará 50 laboratórios, sendo que um deles tem Nível de Biossegurança 3 (NB3), com ambiente controlado, permitindo a realização de pesquisas com organismos vivos. O espaço conta ainda com estacionamento, auditório, biblioteca, salas de aula, salas administrativas e cafeteria. O Departamento de Bioquímica já conta com um prédio no Campus Saúde. Somente o Departamento de Ciências Morfológicas permanecerá no Campus Centro até que seja construída, futuramente, a ala norte do novo prédio 

A construção, iniciada em 2015, teve um custo de R$ 55 milhões e foi financiada com recursos do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) e do Tesouro Nacional. Ilma Brum agradeceu à bancada gaúcha no Congresso Federal pelo apoio, citando em especial a atuação dos senadores Luiz Carlos Heinze e Lasier Martins, e do líder da bancada, deputado Giovani Cherini, presentes na cerimônia.

Manifestação de estudantes

Antes da inauguração, que terminou com o descerramento de uma placa no saguão do prédio do ICBS, um grupo de cerca de 60 estudantes organizou uma manifestação. As principais pautas foram a falta de posicionamento do governo Bolsonaro sobre a manutenção do sistema de cotas raciais em universidades públicas, o corte de verbas para a educação pública e a defesa da exigência do passaporte vacinal para retorno às aulas. 

Diversos estudantes manifestaram na ocasião / Foto: Mauro Schaefer

Na última sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou a diretriz do MEC que proibia as universidades e instituições de ensino federais de pedir o passaporte. Na UFRGS há um impasse, pois o Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Consul-UFRGS) decidiu, ainda em novembro do ano passado, pela necessidade da comprovação da imunização para o retorno das aulas presenciais. 

A reitoria, no entanto, definiu no último dia 11 que não seria exigido o passaporte vacinal para o retorno às aulas, que acontece a partir do dia 7 de março. A informação consta, inclusive, na tela de entrada do site da universidade.




Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895