Pais fazem manifestação para readmitir funcionário de escola em Porto Alegre

Pais fazem manifestação para readmitir funcionário de escola em Porto Alegre

Eduardo Antônio Divério, o Dudu, trabalha há 24 anos na instituição e foi desligado em 8 de abril

Taís Teixeira

Pais protestaram contra demissão no La Salle

publicidade

Um grupo de quase 40 pais se reuniu em frente ao Colégio La Salle  Dores, no centro de Porto Alegre, na terça-feira (13), às 10 horas, para solicitar a reintegração do recepcionista e telefonista da escola, Eduardo Antônio Divério, o Dudu como é conhecido, desligado no dia 8 de abril. Cartazes com frases como “Volta Dudu”, “Queremos o Dudu” eram exibidos pelos pais, que também pediam em voz alta o retorno do colaborador, medida que depende de uma mudança na decisão por parte da escola. 

O grupo de pais e mestres ainda promoveu, além da manifestação presencial, um movimento nas redes sociais com a #voltadudu, criou um Instagram com essa finalidade e coletou 1.100 assinaturas de pais, ex-alunos e familiares em um documento de apoio à causa.

O funcionário atuou na escola durante 24 anos e estava há quatro para se aposentar. A mãe e uma das integrantes  do grupo de pais e mestres do La Salle Dores, Maria Júlia Marçal, conta que estudou na escola e conhece Dudu desde que ele começou, quando ela estava na primeira série no ensino fundamental. “É uma pessoa que representa acolhimento, confiança, integridade, humanidade, nos deixava seguros e felizes de entregar nossos filhos todos dias no colégio”, relata.

Ela tem três filhos matriculados na escola e disse que a tradição do La Salle Dores faz com que o estudante de ontem se torne o pai de amanhã, já que muitos ex-alunos, assim como ela, colocaram seus filhos na escola, e entende que Dudu, pelo seu histórico de conduta profissional, tem muita responsabilidade nisso. “Uma pessoa disposta que sabia o nome dos alunos, dos seus pais, dos avós, cuidava dos nossos filhos com carinho”, reforça. Maria Júlia destaca que muitos pais estão pensando se vão renovar o contrato após essa escolha da escola, que surpreendeu a todos.

Após o ato, um grupo de pais foi chamado para conversar com o diretor, um representante jurídico e mais um colaborador. “Eles disseram que não iriam nos apresentar os motivos, mas como clientes entendo que temos o direito de ser ouvidos e informados”, enfatiza. No fim da manifestação, o grupo colocou os cartazes na grade que em frente ao portão da entrada principal. A Brigada Militar compareceu ao local, mas não houve necessidade de intervenção. A reportagem fez contato com o Colégio La Salle Dores, mas a direção disse que resolveu com os pais a situação e optou por não se manifestar.  

O ex-funcionário Eduardo Antônio Divério, o Dudu, de 55 anos, disse que no dia 8 foi trabalhar normalmente, quando foi comunicado da deliberação da escola. “Agradeceram os meus anos de bons serviços prestados e disseram que minha rescisão fazia parte da redução de custos em função da pandemia”, lembra. Ainda muito abalado, ver a repercussão da comunidade escolar traz um pouco de alívio. “Eu tenho muita gratidão por todos, foi maravilhoso trabalhar ali, era minha vida”, descreve.  Divério entende que a condução do processo poderia ser de outra forma em razão dos 24 anos dedicados à escola. “Só peço, para quem não me conhecia e chegou ontem na escola, que respeitem a minha história”, afirma. Caso a escola revisse a sua determinação e convidasse Dudu para retornar ao quadro de funcionários, a resposta teria como base alguns aspectos. “Eu avaliaria a proposta, mas creio que eu voltaria, desde que não causasse problemas”, reforça.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895