Sem vacina, Leite projeta continuidade do modelo híbrido de ensino no RS em 2021

Sem vacina, Leite projeta continuidade do modelo híbrido de ensino no RS em 2021

Governador defendeu que volta às salas de aula vai impedir uma perda maior no desenvolvimento das crianças

Por
Correio do Povo

Calendário de retorno às aulas presenciais inicia na próxima semana


publicidade

O modelo de educação híbrida – que alterna o ensino presencial e o não-presencial – proposto pelo governo do Estado para iniciar na próxima semana deve ter continuidade ainda em 2021 caso uma vacina contra o coronavírus não esteja disponível no Rio Grande do Sul. A afirmação foi feita pelo governador Eduardo Leite, nesta quarta-feira, em entrevista ao programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba. O chefe do Executivo estadual voltou a reforçar a necessidade do retorno dos estudantes de educação infantil às escolas, liberado para acontecer a partir do dia 8 de setembro, para que não haja uma perda no desenvolvimento das crianças.

"A criança daqui seis meses já é outra. Vai ter crescido e perdido parte do seu vocabulário. O período em que ela está fora da aula diminui seu desenvolvimento", destacou Leite ao afirmar que o RS vive um cenário seguro em relação à Covid-19, com estabilização da transmissão do vírus, internações em leitos de UTIs e óbitos desde o final do mês de julho. "Não é assim 'tomamos a decisão e venha o que vier pela frente'”, destacou. Caso o governo ache necessário, o calendário de retorno às aulas presenciais poderá ser alterado. 

Outro ponto defendido pelo governador para justificar a liberação gradual dos estudantes às salas de aula é o controle da disparidade entre o ensino público e privado. Leite acredita que, ao passo que o as escolas privadas conseguem manter suas atividades e têm ferramentas para isso, os estudantes das escolas públicas com menos condições ficarão sem acesso ao conteúdo disciplinar. 

Em relação à resistência de sindicatos, prefeitos e entidades, incluindo a Famurs, o governador Eduardo Leite afirmou que cabe aos municípios analisar as condições para o retorno gradual das aulas presenciais. "Nós não nos eximimos das nossas responsabilidades e nem de levantar as restrições. Muitos prefeitos e associações defendem o retorno e se sentem seguros para o retorno", disse.

Calendário

Ensino Infantil: 8 de setembro
Ensino Médio (geral): 21 de setembro
Ensino Superior: 21 de setembro
Ensino Médio (estadual): 13 de outubro
Ensino Fundamental – anos finais: 28 de outubro
Ensino Fundamental – anos iniciais: 12 de novembro