Tema da redação do Enem 2021 é invisibilidade e registro civil

Tema da redação do Enem 2021 é invisibilidade e registro civil

Acesso à cidadania foi temática aplicada aos alunos para dissertar

AE

Professores elogiaram temática escolhida pelo Inep

publicidade

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, divulgou na tarde deste domingo o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021. Os candidatos escrevem sobre "Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil". A aplicação do primeiro dia das questões começou às 13h30min e deve seguir até as 19h deste domingo. Além da Redação, os candidatos respondem a questões de Linguagens e Ciências Humanas.

Veja Também

A proposta é acompanhada de textos de apoio aos candidatos, que ainda não foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão responsável pela prova. Professores de Língua Portuguesa analisaram a temática. "É um tema considerado tranquilo para os alunos e é uma importante discussão já que muitas pessoas não conseguem ter acesso ao registro civil ainda. Falamos em analfabetismo digital, desemprego, sendo que muitas pessoas não conseguem ter acesso a direitos mais básicos porque não são reconhecidas pelo Estado", diz Thiago Braga, autor de Língua Portuguesa do Sistema de Ensino pH.

No próximo domingo, 28, os participantes fazem as provas de matemática e ciências da natureza. A aplicação do Enem  ocorre em meio a uma crise no Inep, que organiza o exame. Trinta e sete coordenadores pediram demissão coletiva neste mês, o que expôs a instabilidade no órgão.

Somou-se a esse cenário a declaração do presidente Jair Bolsonaro, que disse que a prova estava começando a ter a sua cara. O Estadão revelou na semana passada que, em uma intervenção inédita, a gestão federal selecionou questões e quis driblar regras de acesso ao conteúdo da prova.

O exame é aplicado neste domingo para 3,1 milhões de estudantes que tiveram a inscrição confirmada. É o menor número de participantes desde o ano de 2005, o que expôs a dificuldade de acesso igualitário à educação em um ano marcado pela pandemia e pelo agravamento das condições socioeconômicas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895