Amrigs defende isolamento e manifesta “preocupação” com discurso de Bolsonaro
capa

Amrigs defende isolamento e manifesta “preocupação” com discurso de Bolsonaro

Em nota oficial, presidente da entidade médica gaúcha pediu "união e coordenação de esforços em uma única direção" e declarou total apoio às recomendações do Ministério da Saúde

Por
Correio do Povo

A AMRIGS reiterou apoio total, também, às medidas adotadas pelas secretarias de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul e de Porto Alegre no sentido de evitar a propagação da doença

publicidade

A Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amirgs) acompanhou com "preocupação" o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, na última terça-feira. Segundo o presidente da Amrigs, Alfredo Floro Cantalice, "é inútil isolar apenas os pacientes do grupo de risco, conforme foi sugerido pelo Presidente", reiterando o apoio da entidade ao isolamento total, por no mínimo três semanas, e as medidas adotadas pelo Ministério da Saúde, com trabalho do ministro Luiz Henrique Mandetta. 

De acordo com o presidente da Amrigs, no pronunciamento, o presidente corre o risco grave de "causar à população uma falsa impressão de que medidas de contenção social sejam inadequadas, além da temerária afirmação de que se trata apenas de um resfriado comum". 

A Amrigs reiterou apoio total, também, às medidas adotadas pelas secretarias de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul e de Porto Alegre no sentido de evitar a propagação da doença. 

• Nota na íntegra:

Assistimos com muita preocupação o pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite desta terça-feira (24/03). A Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs) acredita que o momento crítico provocado pela propagação do coronavírus no país exige união e coordenação de esforços em uma única direção. Entendemos ser inviável e inútil isolar apenas os pacientes do grupo de risco, conforme foi sugerido pelo Presidente.

Precisamos manter um isolamento de forma ampla da população, principalmente no período das próximas três semanas. Há um risco grave de causar à população uma falsa impressão de que medidas de contenção social sejam inadequadas, além da temerária afirmação de que trata-se apenas de um resfriado comum.

Pedimos uma atenção especial a todos os entes envolvidos para que não faltem Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para médicos e profissionais da saúde, especialmente para os que trabalham nas emergências e UTIs.

A Amrigs dá total apoio ao Ministério da Saúde, através da pessoa do ministro Luiz Henrique Mandetta, por suas atitudes corajosas e baseadas em evidências científicas no combate à pandemia, conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde (OMS). Reiteramos nosso apoio, também, às medidas adotadas pelas secretarias de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul e de Porto Alegre no sentido de evitar a propagação da doença.

Reiteramos a população em geral que fique em casa: para o seu bem e para o bem coletivo.

Presidente da Amrigs, Alfredo Floro Cantalice Neto