Anvisa concede registro definitivo à vacina da Pfizer

Anvisa concede registro definitivo à vacina da Pfizer

Imunizante é o primeiro a receber a autorização permanente no país. Imunizantes CoronaVac e de Oxford possuem aval provisório

R7

Imunizante da Pfizer recebe registro definitivo no país

publicidade

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu o registro definitivo à vacina da Pfizer. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira por meio de nota. A agência informou que analisou o imunizante por 17 dias e garantiu que a vacina "do Laboratório Pfizer/Biontech teve sua segurança, qualidade e eficácia, aferidas e atestadas".

A vacina da Pfizer é a primeira a receber o registro definitivo, que é uma autorização permanente para ser usada em território nacional. A CoronaVac e o imunizante de Oxford tiveram o uso emergencial concedido pela agência, mas ainda possuem caráter experimental no país.

A aprovação do registro ocorre após nove meses de negociações entre a Pfizer e o Ministério da Saúde para compra da vacina. 

A primeira pessoa vacinada no mundo contra a covid-19 recebeu uma dose do imunizante da Pfizer. Uma senhora de 90 anos chamada Margaret Keenan recebeu a aplicação na localidade de Coventry, região central da Inglaterra, em 8 de dezembro de 2020.

Quando um imunizante tem apenas o uso emergencial permitido, é necessário fazer um acompanhamento constante dos vacinados, além de ser proibida a venda para o setor privado - entenda as diferenças.

Leia a nota oficial da Anvisa:

"Informe à população brasileira
 
Como Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informo com grande satisfação que, após um período de análise de dezessete dias, a Gerência Geral de Medicamentos, da Segunda Diretoria, concedeu o primeiro registro de vacina contra a Covid 19, para uso amplo, nas Américas.

O imunizante do Laboratório Pfizer/Biontech teve sua segurança, qualidade e eficácia, aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro.

Esperamos que outras vacinas estejam em breve, sendo avaliadas e aprovadas.

Esse é o nosso compromisso."

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895