Ato em defesa da educação reúne estudantes e trabalhadores em Porto Alegre

Ato em defesa da educação reúne estudantes e trabalhadores em Porto Alegre

Protesto integrou agenda popular nacional contra a reforma da previdência

Franceli Stefani

Com início na Esquina Democrática, protesto percorreu a avenida Borges de Medeiros

publicidade

Em manifestação contra a reforma da Previdência e os cortes na educação, centenas de pessoas se uniram na paralisação nacional, no fim da tarde desta terça-feira, em Porto Alegre. Servidores públicos, trabalhadores e estudantes organizaram um ato na Esquina Democrática, no Centro Histórico, de onde sairão em caminhada à noite. Mais cedo, o Cpers comandou uma ação frente ao Palácio Piratini.

Acompanhe ao vivo os protestos pela educação em Porto Alegre

Feliz com a presença de núcleos do Cpers de todas as regiões do Estado, a presidente Helenir Schürer, disse que além dos alunos, os pais também se engajaram na defesa da educação. "Em salas de aula nós ensinamos cada um a sonhar com a Universidade, queremos as nossas federais vivas e cada vez mais com a cara do povo. Não vamos entregar para as elites", enalteceu. Mãe de estudante, Denise Góes, 45 anos, afirmou que é momento de abraçar as instituições públicas. "Minha filha não teria condições de concluir um curso superior. É difícil, sou sozinha e vivo de trabalhos informais." 

A estudante Ana Laura, 20 anos, disse que quer estudar, mas no futuro quer se aposentar. “As universidades públicas são conquistas do povo, então o povo precisa lutar por elas, por isso estou aqui.” Mesmo com a reforma da Previdência aprovada na Câmara, a ideia é mostrar a força da união da comunidade nas ruas.  "Hoje eles querem votar a Liberdade Econômica, mas a classe trabalhadora está viva. Nós somos fortes unidos e precisamos mostrar a nossa força", enfatizou a funcionária pública Vanessa Monteiro. 

Os funcionários dos Correios também estavam engajados no ato e pediam assinaturas para a não privatização da empresa. Entre os sindicatos participantes, o Sindicato dos Agentes da Polícia Civil do RS — a Ugeirm. O presidente Isaac Ortiz ponderou que o momento é complexo e de muitos ataques ao serviço público. "Estamos juntos na luta pelos direitos que os governos querem retirar." 

A Brigada Militar não divulgou estimativas de público. Os organizadores afirmaram que mais de 40 mil pessoas estiveram presentes desde as 14h.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895