Ator e humorista Paulo Gustavo morre vítima de Covid-19, aos 42 anos

Ator e humorista Paulo Gustavo morre vítima de Covid-19, aos 42 anos

Ele estava internado em um hospital do Rio de Janeiro desde 13 de março

Correio do Povo e AE

Paulo Gustavo morreu aos 42 anos, vítima de Covid-19

publicidade

Morreu na noite desta terça-feira, vítima de complicações da Covid-19, o ator e humorista Paulo Gustavo. Ele estava internado em um hospital do Rio de Janeiro desde 13 de março, em uma Unidade de Terapia Intensiva. 

O quadro de Paulo Gustavo se deteriorou muito nas últimas 48 horas. Ainda na noite desta terça-feira, o hospital divulgou um boletim médico no qual afirmava que o quadro era irreversível. 

"Após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, dia 3, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante. Apesar da irreversibilidade do quadro, o paciente ainda se encontra com sinais vitais presentes", apontou a nota oficial. 

Uma semana após a confirmação da internação, no entanto, Paulo Gustavo precisou ser transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para ser intubado.

Criado em uma família de classe média no Rio, Paulo Gustavo nunca teve problema com sua sexualidade, desde jovem. Em dezembro de 2015, casou-se com o dermatologista Thales Bretas e, quatro anos depois, nasceram os filhos Romeu e Gael, nascidos de diferentes barrigas de aluguel.

Trajetória

Paulo Gustavo Amaral Monteiro de Barros nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, em 1978. Ele pertence a uma geração de comediantes que se formaram na Casa de Artes de Laranjeira, a CAL, no Rio, como Fábio Porchat e Marcus Majela, entre outros. Seu primeiro sucesso aconteceu em 2004 quando, na peça Surto, apresentou a personagem que marcaria sua carreira, Dona Hermínia. No ano seguinte, após se formar na CAL, passou a integrar o elenco de Infraturas, mas o grande reconhecimento de público veio em 2006 com o espetáculo Minha Mãe é uma Peça, que rendeu três adaptações para o cinema (2013, 2016 e 2019), que conquistaram enorme bilheteria.

Dona Hermínia surgiu como uma brincadeira, quando ele imitava a própria mãe e os colegas morriam de rir. Trata-se de uma típica dona de casa que, sempre à beira de um ataque de nervos, toma as atitudes mais engraçadas. Além de inspirar a peça, tornou-se um dos personagens fixos do programa de TV 220 Volts, no canal Multishow.

O estrondoso sucesso de Minha Mãe é uma Peça nas telonas o convenceu a voltar para uma terceira parte - e o público comprovou que não estava cansado da personagem. Na época do lançamento, Paulo Gustavo disse que gostaria de atingir um público maior com Minha Mãe 3. "Não me importo de fazer mais, nem temo a concorrência. Já enfrentamos Star Wars no passado e Frozen. Qual era o Star Wars? Ah, sei lá. Nossos números são grandes, mas deveria haver reserva de mercado para a produção nacional. Os filmes grandes atraem público e as pessoas sabem que vão se divertir com D. Hermínia. Mas há filmes menores que também têm de ter espaço. O público precisa se conscientizar disso, o mercado também."

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895