Bonde histórico "passeia" e chama a atenção durante o trajeto em Porto Alegre

Bonde histórico "passeia" e chama a atenção durante o trajeto em Porto Alegre

Um dos dois carros elétricos doados pela Polícia Civil foi levado até o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul

Correio do Povo

Deslocamento teve escolta por algumas avenidas e ruas da cidade

publicidade

O “passeio” de um dos dois bondes históricos de Porto Alegre, doados pela Polícia Civil ao Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS), chamou a atenção por onde passava na manhã desta quinta-feira. Transportado em cima de uma carreta especial com 26 metros de comprimento, sob escolta dos agentes da EPTC e da Polícia Civil, o antigo carro elétrico, prefixo 193, saiu do pátio atrás do Palácio da Polícia, na rua Professor Freitas e Castro. O itinerário incluiu a Ipiranga, Edvaldo Pereira, Paiva, Siqueira Campos, Júlio de Castilhos e Castelo Branco, chegando então na sede da instituição cultural na rua Comendador Azevedo, no bairro Floresta. 

À reportagem do Correio do Povo, a secretária estadual de Cultura, Beatriz Araújo, anunciou que um dos bondes será totalmente restaurado como na época em que circulava na cidade, mantendo a forma original da época. Já o outro será transformado em espaço cultural para realização de atividades, como por exemplo de formação artística, ou até em um café. “Os bondes no MACRS tem um simbolismos que é muito importante. Estamos falando de um Museu de Arte Contemporânea que também tem um olhar atento ao passado e preservação da memória afetiva muito especial das pessoas”, afirmou.

Segundo Beatriz Araújo, muitas “histórias bonitas” surgiram durante o processo de doação e de transferência dos dois bondes que estavam com a Polícia Civil. “Mais importante neste momento é o resgate. Nos deixou super feliz”, acrescentou. “Podemos ter um espaço de guarda da memória”, concluiu.

Já a Chefe de Polícia Civil, delegada Nadine Anflor, considerou o ato de doação ao MACRS como “manutenção da história”. Lembrando que os bondes despertam “saudosismo e sentimentalismo”, ela contou que, ao assumir a gestão da instituição policial, entendeu que precisava contar “a história dos bondes e de como foram importantes”, impedindo inclusive que se deteriorassem pela ação do tempo. Ela aproveitou para anunciar a inauguração no dia 7 de outubro do próprio Museu da Polícia Civil, no Palácio da Polícia, no cruzamento da João Pessoa com Ipiranga. “Está todo pronto”, destacou.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895