Bondes serão doados para Museu de Arte Contemporânea do RS

Bondes serão doados para Museu de Arte Contemporânea do RS

Os dois elétricos que marcaram época em Porto Alegre serão transferidos para a futura sede da instituição cultural

Correio do Povo

Com mais de 90 anos, os veículos ainda conservam resquícios da antiga cor amarela e da identificação da Carris

publicidade

Dois bondes históricos de Porto Alegre terão um novo destino ainda nesta semana. A nova casa dos elétricos será o Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS) que, em breve, deverá ter sua sede própria. 

A assinatura do termo de doação dos bondes ocorre nesta quinta-feira, às 9h, em cerimônia no estacionamento junto ao Palácio da Polícia, em Porto Alegre. Com mais de 90 anos, os coletivos ainda conservam resquícios da antiga cor amarela e da identificação da Carris.

Os veículos serão levados até o final de fevereiro para o pátio da futura sede própria do Museu de Arte Contemporânea na rua Comendador Azevedo, no bairro Floresta. Haverá uma viagem simbólica até o novo local, a ser organizada pela Associação de Amigos do MACRS. A expectativa é que os coletivos sejam restaurados e expostos gratuitamente ao público. 

Em junho do ano passado, a Polícia Civil havia anunciado a intenção de doar os dois bondes cujo sistema de transporte público marcou época em Porto Alegre. O período áureo ocorreu entre as décadas de 1950 e 1960 quando a empresa contou com 229 carros elétricos, sendo 130 norte-americanos, 89 ingleses e 10 belgas.

A Capital foi considerada a cidade com o maior acervo de bondes antigos em operação no mundo, segundo a Carris. A extinção do serviço de transporte elétrico ocorreu com as últimas viagens nas linhas Partenon, Glória e Teresópolis no dia 8 de março de 1970.

O último bonde foi recolhido ao depósito da Carris, então sediada na avenida João Pessoa, diante de uma multidão e com direito à solenidade. Alguns elétricos tiveram como destino o ferro-velho e outros foram entregues para instituições públicas, como a Polícia Civil.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895