Brasil mantém operação com avião para trazer vacina da Índia

Brasil mantém operação com avião para trazer vacina da Índia

Porta-voz do governo indiano colocou em dúvida envio das doses contra Covid-19

R7

Aeronave recebeu identificação especial para operação

publicidade

Apesar de o porta-voz do governo da Índia deixar como dúvida o envio de vacinas contra a Covid-19 para o Brasil, fonte ligada ao ministro da Saúde Eduardo Pazuello confirmou que a operação para buscar 2 milhões de doses em Mumbai está mantida. O avião da Azul partirá às 23h desta sexta-feira do Recife para a Índia.

Na noite desta quinta-feira, perguntado sobre as declarações do governo brasileiro, o porta-voz Anurag Srivastava, do Ministério das Relações Exteriores da Índia disse que "é muito cedo para fazer comentários específicos sobre a exportação da vacina contra Covid-19 da Índia para outros países, porque nós ainda estamos na fase de produção e distribuição domésticas e avaliando nossas necessidades aqui".

Conforme a administração federal, o lote de 2 milhões de doses da vacina indiana foi comprado pelo governo brasileiro de um fabricante privado, a AstraZeneca, sem relação com o governo daquele país. Os trâmites burocráticos em andamento dizem respeito à operação de exportação.  Eles seguem o rito normal e estão sendo tratados pela equipe de comércio exterior.

A aeronave da Azul embarcará do Recife com de 11 a 13 tripulantes - somente pessoal da empresa, como pilotos e apoio. A volta deve acontecer no domingo, com a chegada do avião ao Rio de Janeiro.

As vacinas virão prontas para serem aplicadas. Elas não precisam ser envasadas no Brasil. Elas ficarão armazenadas no Rio de Janeiro, onde a Fiocruz tem sua sede. E a gestão da distribuição ocorrerá a partir do Rio.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895