Brasil registra 1.240 mortes e 31.359 novos casos de Covid-19 em 24 horas

Brasil registra 1.240 mortes e 31.359 novos casos de Covid-19 em 24 horas

Esta é a segunda vez em abril que o valor fica abaixo de dois mil óbitos no período

Correio do Povo e R7

Com o balanço de hoje, o país contabiliza 331.433 mortes

publicidade

O Brasil registrou 1.240 mortes por Covid-19 neste domingo, segundo dados enviados pelos Estados ao Ministério da Saúde e ao Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Esta é a segunda vez em abril que o valor fica abaixo de dois mil óbitos em 24 horas. O número de novos casos foi de 31.359, também apresentando redução em relação aos últimos dias.

Com o balanço de hoje, o país contabiliza 331.433 mortes e 12.984.956 pessoas diagnosticadas com a doença. Mais de 11 milhões de pessoas já se recuperaram da Covid-19, de acordo com o Ministério da Saúde. Segundo os dados do Conass, a taxa de letalidade do coronavírus no Brasil é de 2,6% e a taxa de mortalidade por cada 100 mil habitantes é de 157,7.

A média móvel de óbitos nos últimos 7 dias registrou um recuo ao marcar 2.747 neste domingo; nos últimos dias a média havia ficado acima de 3 mil. A média móvel de novos casos é de 64.324, também menor que a registrada durante a última semana, quando ficou acima de 70 mil.

Veja Também

Uma projeção feita pela Universidade de Washington, dos Estados Unidos, aponta que, até 1º de julho, o Brasil pode alcançar a marca de 562,8 mil mortes em decorrência da pandemia.  O estudo, feito pelo Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), ligado à universidade, prevê três cenários. O número de 562,8 mil mortes refere-se ao mais provável, no qual vacinas são distribuídas sem atrasos, governos determinam novas medidas restritivas com duração de seis semanas toda vez que o número de mortes diárias ultrapassar oito casos por milhão de habitantes (hoje, esse índice chega a 13), vacinados deixam de usar máscaras somente três meses após a segunda dose, entre outras variáveis.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895