Brasil tem 1262 mortes por Covid-19 nas últimas 24h e volta a bater recorde diário
capa

Brasil tem 1262 mortes por Covid-19 nas últimas 24h e volta a bater recorde diário

Total de óbitos supera 31 mil no país, com mais de 555 mil casos diagnosticados

Por
Correio do Povo

Foram registradas 1262 mortes por coronavírus nas últimas 24h


publicidade

O Brasil voltou a bater recorde diário de mortes por Covid-19 nesta terça-feira. Com 1262 óbitos nas últimas 24h, o país chegou a 31.999 no total. Os números são do Ministério da Saúde.

Ainda conforme a pasta, São mais de 555 mil casos já confirmados de coronavírus no país. Apenas nesta terça-feira, foram quase 29 mil novos casos confirmados. 

Outros 4312 mortes por síndrome respiratória aguda grave (Srag) aguardam diagnóstico. Mais de 223 mil pessoas já estão curadas da Covid-19 no país.

Opas alerta para "situação delicada" no Brasil por Covid-19

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) disse nesta terça-feira (02) que o Brasil está passando por uma "situação delicada" devido à pandemia de Covid-19 e deve manter as medidas para controlar o avanço da doença.

"A situação no Brasil é delicada e estamos muito preocupados, porque o que vimos é um aumento de casos e mortalidade na última semana", disse o diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da Opas, Marcos Espinal.

O Brasil, com mais de 526 mil diagnósticos positivos e quase 30 mil óbitos, é o segundo país do mundo com mais casos e o quarto com mais mortes. Com 210 milhões de habitantes, o Brasil deu respostas desencontradas à Covid-19, que teve a pandemia declarada em 11 de março pela OMS.

O presidente Jair Bolsonaro se opôs a paralisar a economia, mas estados e municípios, que têm prerrogativas para tomar decisões sobre questões de saúde, implementaram restrições em maior ou menor grau para impedir a propagação do vírus.


Espinal disse que a Opas vai continuar trabalhando com autoridades de todos os níveis para garantir os esforços para conter esta epidemia, minimizar o número de mortes e proteger a população. "As próximas semanas serão cruciais para o Brasil e (o resultado) dependerá de como o pacote de medidas será implementado no país", afirmou.