Caminhoneiros interditam trechos da Presidente Dutra, que liga São Paulo e Rio de Janeiro

Caminhoneiros interditam trechos da Presidente Dutra, que liga São Paulo e Rio de Janeiro

Bolsonaro fez apelo à categoria para que "não pare o país" em pronunciamento a apoiadores

R7

publicidade

Manifestações de caminhoneiros interditam trechos da rodovia Presidente Dutra, que liga os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, na noite desta quarta-feira. Os protestos do grupo composto principalmente por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro iniciaram ainda durante os atos de 7 de setembro. Conforme informações da CCR NovaDutra, concessionária que administra a via, no final da noite desta quarta-feira foram registradas manifestações nas cidades de Caçapava, Pindamonhangaba e Lorena, em São Paulo, e Barra Mansa e Seropédica, no Rio de Janeiro.

Os estados com registro de manifestação eram: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Rio de Janeiro, Rondônia, Maranhão, Roraima, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Pará.

Os trechos que registram manifestações são: km 130 (Caçapava), km 277 (Barra Mansa) e 201 (Seropédica) no sentido Rio de Janeiro, e km 199 (Seropédica), km 51 (Lorena), km 92 (Pindamonhangaba) e 130 (Caçapava), no sentido São Paulo.

Além da rodovia Presidente Dutra, o Estado de São Paulo também registra manifestação de caminhoneiros que causa uma interdição no km 81 da rodovia dos Tamoios, no início da serra, já no município de Caraguatatuba. A faixa da direita está ocupada, e veículos passam pela esquerda. A informação do momento é que não há congestionamento.

Apelo de Bolsonaro

Em uma fala a apoiadores, no final desta quarta-feira, Bolsonaro pediu aos caminhoneiros para que não parem o país. Após as falas do presidente no feriado de 7 de setembro, rodovias em vários Estados foram interrompidas. "Vou ter que apelar para que não parem o Brasil, sei do poder que eles têm, reconheço o trabalho que eles fazem, mas acredito que a paralisação não interessa a nenhum de nós. Agradeço por tudo o que eles têm feito. Não é a gente matando a vaca que vai eliminar o carrapato".


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895