Campanha do desarmamento é prorrogada até o fim de 2012
capa

Campanha do desarmamento é prorrogada até o fim de 2012

Rio Grande do Sul termina 2011 como o Estado que mais recolheu armas por habitante

Por
ABr, AE e Correio do Povo

Ministro interino da Justiça, Luiz Paulo Barreto, assina o convênio

publicidade

Um verdadeiro arsenal de guerra, de 7,640 mil armas de grande porte, foi entregue por brasileiros de todo o País para o governo incinerar na terceira fase da campanha nacional de desarmamento, iniciada em maio pelo Ministério da Justiça. A Campanha Nacional do Desarmamento vai continuar até o fim de 2012. O Ministério da Justiça e o Banco do Brasil renovaram nesta terça a parceria para o pagamento das indenizações por armas recolhidas durante a campanha. Em vigor desde maio, a Campanha Nacional do Desarmamento recolheu 36,8 mil armas de fogo no país.

Assim como o levantamento parcial divulgado em novembro indicava, o Estado que mais devolveu armas por habitante de acordo com o balanço revelado nesta terça foi o Rio Grande do Sul, com 43 unidades para cada 100 mil pessoas, em um total de 4.599. Os moradores de São Paulo entregaram 9.994; os do Rio de Janeiro, 3.918; e os de Minas Gerais, 3.033.

De acordo com o secretário executivo da pasta, Luiz Paulo Barreto, a expectativa do governo foi atendida. “Faremos uma nova campanha, talvez aperfeiçoando alguns pontos, mas mantendo o anonimato, a capilaridade, a agilidade do pagamento e a inutilização das armas. Precisamos e queremos ampliar o número de postos de arrecadação”.

O balanço da campanha mostra que os revólveres são a maior parte das armas entregues, 18 mil. Também foram recolhidas 7,6 mil armas de grande porte, sendo 5 mil espingardas, 500 rifles, 95 fuzis, cinco metralhadoras, entre outras. As armas de grande porte representam 20% do total de armas recolhidas. “O anonimato provocou a devolução de armas de grande porte, o que é inédito. Muitas vezes o cidadão comprava de maneira clandestina e, por medo da origem da arma, não fazia a devolução”, disse Barreto.

De acordo com o Ministério da Justiça, foram pagos R$ 3,5 milhões em indenizações pelos armamentos. A entrega pode resultar em indenizações entre R$ 100 e R$ 300, dependendo do tipo da arma. O orçamento da campanha deste ano foi R$ 9 milhões. Segundo Barreto, a mesma quantia deve ser destinada a campanha em 2012.

A campanha pelo desarmamento está presente em 25 estados, onde existem 1,9 mil postos de coleta de armas. Ao entregá-las, o cidadão não precisa declarar a origem, e depois recebe remuneração, conforme o tipo da arma. Estão em funcionamento nos estados 1.886 postos de entrega de armas, cadastrados pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, pelo Corpo de Bombeiros e pela Guarda Municipal. Para isso, o cidadão precisa pedir à Polícia Federal uma guia de trânsito para conduzir o armamento e não é exigida a comprovação da origem da arma.

Bookmark and Share