Centrais sindicais entregam manifesto em defesa da vida ao prefeito de Porto Alegre

Centrais sindicais entregam manifesto em defesa da vida ao prefeito de Porto Alegre

Presidente da CUT pediu a ampliação dos postos de testagens públicos e a instalação de hospitais de campanha para serviços de atenção básica

Cláudio Isaías

Integrantes da CUT/RS realizaram um ato em frente a Prefeitura de Porto Alegre pedindo ações do Executivo municipal contra o avanço da Covid-19

publicidade

A aquisição urgente de vacinas pelo município, a instalação de postos públicos de testagem e a ampliação da oferta de transporte coletivo cumprindo os protocolos necessários, visando priorizar o deslocamento com segurança dos trabalhadores dos serviços essenciais. Essas propostas foram entregues nesta segunda-feira pelas centrais sindicais ao prefeito Sebastião Melo durante audiência no Paço Municipal. 

No documento intitulado "Todas as vidas importam!" - Vacina para todos e todas já!!, consta ainda a instalação de hospitais de campanha para serviços de atenção básica, com o objetivo de desafogar o sistema e destinando a estrutura convencional para atendimento dos casos da Covid-19.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT/RS), Amarildo Cenci, pediu que o prefeito faça parte da defesa do retorno do auxílio emergencial federal no valor de R$ 600 para socorrer as famílias mais vulneráveis. "Queremos a criação do auxílio municipal emergencial nos moldes em que foi instituído pela prefeitura de Belém, podendo o valor correspondente ser distribuído na forma de cestas básicas", ressaltou.

Além disso, Cenci defende que o governo Federal faça a implementação de políticas de geração de emprego e renda e apoie publicamente a quebra temporária das patentes para viabilizar a universalização da produção de imunizantes. Outra reivindicação dos sindicalistas é o cumprimento da contrapartida que corresponde ao município no Programa Nacional da Alimentação Escolar (PNAE) e a execução urgente da distribuição da quota de alimentos sob sua responsabilidade.

Segundo Cenci, quando se observa a intransigência alguns setores que colocam em risco a vida das pessoas, é necessária a ação firme e articulada do estado por intermédio dos seus entes federativos, gestores de todos os níveis no propósito de maior segurança sanitária, do controle da pandemia, indicando a necessidade de que todos devem contribuir para a superação do quadro dramático em curso.

"O colapso do sistema público e privado de saúde exige do prefeito Sebastião Melo uma postura pública descolada das práticas, atitudes e discursos negacionistas do presidente da República, Jair Bolsonaro. Precisamos da postura adotada recentemente pelo governador Eduardo Leite que, em que pese a angustiante demora, assumiu publicamente o compromisso de adquirir, com urgência, vacinas em quantidade suficiente para atender toda a população do Estado", acrescentou Cenci.

O prefeito Sebastião Melo, ao lado do vice Ricardo Gomes, disse que a prefeitura está procurando aumentar o número de leitos, aumentar a testagem e combater as aglomerações que acontecem nos bares ou em festas clandestinas na cidade.

"Fico alegre porque vocês estão trazendo sugestões para um momento tão difícil que é salvar vidas no nosso país e na nossa cidade", ressaltou.

Melo afirmou ainda que pediu autorização da Câmara de Vereadores para a compra de vacina através de um consórcio da Frente Nacional dos Prefeitos está liderando. "A nossa solidariedade a quem perdeu entes queridos e a nossa solidariedade a quem está esperando uma internação. A nossa parte estamos fazendo junto com a sociedade que é a não aglomeração, o distanciamento social e o uso das máscaras", ressaltou.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895