CFM lança canal para médicos denunciarem falta de equipamentos

CFM lança canal para médicos denunciarem falta de equipamentos

Ideia do órgão é gerar relatórios para serem distribuídos entre as unidades regionais

AE

Ideia é tentar resolver os problemas com autoridades locais

publicidade

O Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou nesta segunda-feira um canal de denúncias para médicos sobre falta de equipamentos de proteção, infraestrutura precária para atendimento e outras irregularidades que podem ocorrer em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) e da rede privada durante a pandemia da Covid-19 — doença causada pelo novo coronavírus.

A entidade liberou em seu site um formulário para denúncia. A ideia é gerar relatórios para serem distribuídos entre os conselhos regionais e tentar resolver os problemas com autoridades locais.

"Não é de agora que a entidade vem elaborando inúmeras notas técnicas sobre as fragilidades no atendimento. Neste momento, onde temos uma pandemia que parece se disseminar facilmente, a preocupação aumenta", disse o diretor de Comunicação do CFM, Hideraldo Cabeça.

O formulário tem campos específicos sobre acesso de equipamentos de proteção obrigatória, que são máscaras e luvas (de diferentes tipos), avental, gorro, óculos e protetor facial. O médico também poderá apontar a falta de insumos para higienização e desinfecção, como álcool gel.

Irregularidades

A plataforma permite ainda relatar carências em espaço de atendimento, como falta de leitos de internação, ou até mesmo assédio moral e subnotificação de casos que chegam ao atendimento de saúde, segundo o CFM.

A notificação será georreferenciada. Ou seja, o conselho poderá saber exatamente onde está a unidade de saúde para levar a denúncia para as autoridades competentes.

O conselho aponta preocupação com cenários vistos em outros países, como na Itália, onde há afastamento de profissionais de saúde por suspeita ou contaminação da Covid-19.

Na semana passada, a Associação Nacional de Hospitais Privados informou ao Estado que há unidades da rede privada com até 10% da equipe já afastada.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895