Ciclista pedala do Paraná ao Chuí para incentivar a doação de medula óssea

Ciclista pedala do Paraná ao Chuí para incentivar a doação de medula óssea

Em Porto Alegre, ele foi recepcionado pelo grupo PedAlegre, por empresários do Mercado e pela primeira dama de Porto Alegre

Cláudio Isaías

Ciclista que faz campanha pela doação de medula óssea foi recepcionado pela primeira dama do município, Valéria Leopoldino

publicidade

Com o objetivo de incentivar a doação de medula óssea, o ciclista curitibano Marcelo Vieira, 49 anos, da campanha "Pedalando Para Vida", foi recebido nesta segunda-feira no Paço Municipal pela primeira-dama, Valéria Leopoldino. Vieira, que pertence a polícia militar do Paraná, está percorrendo 1.250 quilômetros de Curitiba, no Paraná, até o Chuí, no Rio Grande do Sul. Serão 10 dias de viagem para chamar atenção à necessidade de novos doadores de medula óssea, uma vez que, com a pandemia, as doações diminuíram em 40%.

"Queremos fazer uma provocação a sociedade usando a bicicleta e o esporte. Queremos que as pessoas através de um ato simples ajudem quem sofre de câncer. Esse ato pode ser feito através da doação da medula óssea", ressaltou.

Segundo Vieira, 900 pessoas no Brasil estão na fila de espera aguardando um transplante de medula óssea para continuar vivendo. "As pessoas precisam ir até o banco de sangue e coletar 4mg de sangue e os dados do doador serão colocados no banco de dados do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome)”.

No Mercado Público, o ciclista paranaense participou de um café da manhã na Banca 40 oferecido pela Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc) que apoiou à causa defendida pelo ciclista. O cabo da polícia militar chegou a Porto Alegre no domingo onde foi recepcionado na avenida Assis Brasil, nas proximidades da sede da Fiergs, por 50 ciclistas do PedAlegre - Clube de Ciclismo.

Vieira leva uma faixa com a mensagem "Faça algo extraordinário! Seja doador de medula óssea". No material de divulgação do ciclista, consta ainda o endereço Redome. Vieira saiu de Curitiba na quarta-feira, dia 6 de janeiro, chegou no domingo a Porto Alegre.

Ele já pedalou de Curitiba a Porto Alegre cerca de 800 quilômetros - são 13 horas por dia de pedal na bike e uma parada de uma hora para o almoço. Vieira começa a pedalar às 6h e segue até as 18h. Quando chegar ao Chuí, encerramento da campanha, ele informou que voltará de ônibus para Curitiba. O ciclista viaja sozinho, sem carro de apoio e leva consigo material de camping, ferramentas, roupas, alimentos, água e outros objetos necessários para seguir sua viagem.

A primeira-dama Valéria Leopoldino elogiou a iniciativa do ciclista paranaense porque doar medula óssea é um gesto muito simples. "É uma causa que todos nós temos que abraçar. Com a pandemia do coronavírus, a doação de medula de óssea diminuiu cerca de 40%", ressaltou.

Segundo a primeira-dama, o importante é que a sociedade ajude a divulgar nas redes sociais ou no trabalho. O Redome foi criado em 1993, em São Paulo, para reunir informações de pessoas dispostas a doar medula óssea para quem precisa de transplante. Desde 1998, é coordenado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Com mais de quatros milhões de doadores cadastrados, o Redome é o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo. Por ano, são incluídos mais de 300 mil novos doadores no cadastro.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895