Cientistas descobrem gene da saciedade que pode ajudar a combater obesidade
capa

Cientistas descobrem gene da saciedade que pode ajudar a combater obesidade

Pesquisa analisou verme que compartilha 80% do código genético com os humanos

Por
AFP

Pesquisa analisou verme que compartilha 80% do código genético com os humanos

publicidade

Pesquisadores australianos e dinamarqueses descobriram, em um verme, o gene responsável pela sensação de saciedade, que poderia ajudar a combater a obesidade, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira. Este gene, batizado "ETS-5", controla os sinais que o cérebro manda aos intestinos e que provocam a sensação de saciedade, assim como a necessidade de dormir ou de fazer exercícios após ter comido, explicam os cientistas, cuja pesquisa foi publicada na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Nos humanos existe um gene similar, e esta descoberta abre caminho para o desenvolvimento de uma molécula que poderia ajudar a controlar o sobrepeso ao reduzir o apetite e ativar o desejo de fazer exercício físico, afirma Roger Pocock, professor da Universidade Monash, na Austrália. Quando os intestinos do nematódeo Caenorhabditis elegans armazenam gordura suficiente, o cérebro recebe uma mensagem que lhe indica que deixe de se mover, desencadeando uma fase de sonolência ou, se não estiver saciado, que indica que continue se movendo, explica o pesquisador.

O animal compartilha 80% dos genes com os humanos e aproximadamente a metade do seu patrimônio genético está implicado em doenças humanas, detalha o professor Pocock. "Na medida na que estes vermes compartilham tantos genes com os humanos, constituem um modelo de pesquisa muito bom para compreender melhor alguns processos biológicos como o metabolismo e as doenças", explica.

Os pesquisadores descobriram o papel do gene "ETS-5" ao analisar os neurônios no cérebro do verme e controlar sua resposta ao receber comida. Constataram que, assim como os mamíferos, um regime alimentar rico suscita uma resposta do cérebro diferente que a desencadeada por alimentos pobres em nutrientes. Nos mamíferos, o consumo de alimentos ricos em gorduras e em açúcares estimula o apetite, o que pode levar à obesidade.