Cientistas questionam em carta aberta estudo sobre hidroxicloroquina na The Lancet
capa

Cientistas questionam em carta aberta estudo sobre hidroxicloroquina na The Lancet

Pesquisa constatou que medicamento aumenta em 34% mortalidade de pessoas com Covid-19

Por
AFP

Estudo sobre cloroquina é questionado por cientistas


publicidade

Dezenas de cientistas expressaram em carta aberta sua "preocupação" com a metodologia usada no estudo publicado no periódico The Lancet sobre a hidroxicloroquina, cujas conclusões levaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) a suspender os ensaios clínicos com esta molécula. 

Popularizada desde o início da pandemia pelo médico francês Didier Raoult como um tratamento potencial contra a Covid-19, a hidroxicloroquina é objeto de crescente controvérsia científica e política.

O presidente dos EUA, Donald Trump, alegou tomá-la como uma medida preventiva, enquanto o governo brasileiro de Jair Bolsonaro recomenda a substância para tratar pacientes com sintomas leves, apesar de não haver consenso científico sobre sua eficácia. A hidroxicloroquina é, geralmente, prescrita para tratar doenças como o lúpus.

Publicado em 22 de maio na prestigiada revista médica, o estudo se baseia em dados de quase 96 mil pacientes internados entre dezembro e abril em 671 hospitais em todo mundo e compara a evolução daqueles que receberam esse tratamento e dos que não receberam.

Seus autores concluíram que a hidroxicloroquina não é apenas ineficaz, como também aumenta o risco de morte entre os pacientes com Covid-19. À luz desse estudo, dirigido pelo doutor Mandeep Mehra, diretor-executivo do Brigham and Women's Hospital Center for Advanced Heart Disease, em Boston, a OMS decidiu suspender temporariamente os ensaios clínicos com hidroxicloroquina em vários países.

Além disso, o projeto europeu Discovery suspendeu a inclusão de novos pacientes no teste com essa molécula, e a França decidiu, esta semana, proibir seu uso em hospitais. Até então, o medicamento podia ser administrado em casos graves.

Nos últimos dias, porém, um número crescente de cientistas expressou dúvidas sobre a confiabilidade do estudo. O impacto do trabalho "levou muitos pesquisadores ao redor do mundo a examinar minuciosamente a publicação", a cargo da Surgisphere, escreveram os autores da carta aberta divulgada na quinta-feira.

"Esta revisão levantou preocupações sobre a metodologia e sobre a integridade dos dados", enfatizam, detalhando uma longa lista de pontos problemáticos, que vão da recusa dos autores a darem acesso a informações de base à ausência de uma "revisão ética".

Os dados são da Surgisphere, uma empresa de análise de dados de saúde sediada nos EUA. Segundo o jornal britânico "The Guardian", seu presidente, Sapan Desai, reconheceu ter classificado erroneamente 73 mortes na Austrália, quando deveriam ter sido contadas na Ásia.

Devido à "considerável preocupação" que o estudo suscitou "entre pacientes e participantes" nos ensaios clínicos, os signatários da carta pedem à OMS, ou a uma outra instituição "independente e respeitada", a criação de um grupo para analisar as conclusões deste trabalho de forma independente.

Questionada sobre o tema, a OMS disse nesta sexta-feira que a suspensão dos testes é apenas "temporária" e que seus especialistas darão sua "opinião final" sobre a hidroxicloroquina após examinarem outros elementos, provavelmente em meados de junho.

O periódico The Lancet disse à AFP que transmitiu todas essas perguntas aos autores do estudo. "Eles trabalham para responder aos problemas destacados", apontou.

Os signatários desta carta aberta incluem médicos e pesquisadores de todo mundo - de Harvard à Imperial College London.

"Tenho sérias dúvidas sobre os benefícios de um tratamento com cloroquina/hidroxicloroquina contra a Covid-19 (...), mas não podemos questionar a integridade de uma investigação apenas quando ela não coincide com nossas ideias preconcebidas", reagiu no Twitter o doutor François Balloux, da University College, de Londres.

Entre os signatários também está Philippe Parola, colaborador do médico francês Didier Raoult, que, com sua promoção da hidroxicloroquina desde o início da pandemia, contribuiu amplamente para popularizar a molécula.

Outros cientistas expressaram preocupação com o impacto que essa controvérsia pode ter na ciência, usando as hashtags: "#Lancetgate" e "#whats_with_hcq_lancet_paper".


"Se (o estudo) for uma fraude, isso afetará a confiança nos cientistas de maneira duradoura", alertou Gilbert Deray, do hospital parisiense de Pitié-Salpêtrière.