CMS recomenda ações de enfrentamento da pandemia em Porto Alegre

CMS recomenda ações de enfrentamento da pandemia em Porto Alegre

Medidas devem ser promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde

Correio do Povo

CMS aprovou medidas a serem promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde para enfrentar Covid-19 em Porto Alegre

publicidade

O Conselho Municipal de Saúde de Porto Alegre (CMS/POA) aprovou, nesta segunda-feira, uma recomendação com medidas a serem promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde em função do Covid-19. 

O documento indica a constituição de uma fila única de acesso a todos os leitos hospitalares de terapia intensiva. Dessa maneira, o que regraria o atendimento seria a gravidade da doença e a ordem de entrada no sistema conforme o diagnóstico, priorizando o atendimento de qualquer paciente. Orienta ainda que todos os serviços laboratoriais sejam feitas em plataforma única, incluindo kits de testes.

Transparência 

Entre outros fatores, a recomendação propõe a criação de um comitê na Secretaria Municipal de Saúde - com a participação do CMS, universidades federais e entidades de representação dos profissionais de Saúde e de Saúde Coletiva - e a instalação de painéis públicos no site da SMS que organizem todas as informações relacionadas ao enfrentamento da pandemia, garantido que os dados financeiros, clínicos e epidemiológicos sejam de conhecimento público. 

O texto também orienta a adoção de parâmetros mínimos para marcar as mudanças de afrouxamento das medidas de distanciamento social. 

Entre eles, o declínio de novos casos, pacientes internados e óbitos por Covid-19 por um período de monitoramento de 14 dias, ter um volume suficiente de testes adequados para acompanhar as condições dos trabalhadores da Saúde e outros de setores de maior exposição.

Além do suprimento adequado dos equipamentos de proteção individual (EPIs) e a organização de um fluxo de quarentena para os casos confirmados e seus contatos. 

A recomendação considera que a tomada de decisão deve ser amparada num planejamento adequado e suficiente para o enfrentamento da pandemia em Porto Alegre. E que, em sua ausência, deve-se considerar as ações para um cenário mais grave, sendo, desta forma, as ampliações de leitos previstas até o momento insuficientes para o cenário mais crítico. 

Proteção aos profissionais da saúde

O documento alerta que as demissões, em plena pandemia, dos funcionários públicos concursados via Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (IMESF) podem impactar em até 68% da rede de Atenção Primária da capital. Desta forma, sugere a proteção desses profissionais em relação tanto ao sofrimento psíquico quanto à segurança no trabalho.

O documento foi pautado pelo artigo 196 da Constituição Federal, pela declaração de emergência em saúde pública de relevância internacional emitida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a portaria ministerial 188, que declarou emergência em saúde pública de importância nacional. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895