Colegas lamentam a morte de Paulo Henrique Amorim

Colegas lamentam a morte de Paulo Henrique Amorim

Jornalista de 76 anos não resistiu a um infarto fulminante nesta quarta-feira

R7

Paulo Henrique Amorim deixa grande legado no jornalismo brasileiro

publicidade

Jornalistas e colegas de trabalho lamentaram a morte do jornalista Paulo Henrique Amorim nesta quarta-feira. Amorim, de 76 anos, estava em casa, no Rio de Janeiro, quando sofreu um infarto fulminante.

O jornalista Michael Keller, em entrevista à Record TV, descreveu Amorim como um jornalista grandioso. “Uma pessoa polêmica? Sim! Mas ninguém pode tirar a contribuição dele. Ele era um homem do contraditório. Um homem muito contundente, mas ele também ouvia quando a gente falava”. “A gente chegava na rua para gravar matéria e todo mundo reconhecia que a gente era do programa do Paulo Henrique Amorim", disse Keller ao descrever a popularidade do famoso bordão "olá, tudo bem".

Já Afonso Mônaco, que foi colega de trabalho do jornalista na Band e na Record TV, afirma que até agora não “caiu a ficha sobre a morte do amigo”. "Ele foi meu chefe e meu colega e não tem o que falar dele a não ser bem", lamentou.

A apresentadora Ana Hickmann falou da amizade e consideração por Amorim. Ela também contou do seu primeiro convite para trabalhar na TV como colunista do programa Tudo a ver: “foi ele quem deu a minha primeira oportunidade”. Hickmann também disse que na época ficou muito assustada com o convite. “Como um grande jornalista como você pode convidar uma modelo para fazer TV? Ele disse que acreditava em mim”, relembrou emocionada.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895